Ang Lee faz o sexo explícito

DESEJO, PERIGO Hong Kong, 2007. Direção de Ang Lee. No Telecine Cult, às 22 h. Repr., cor, 157 min

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2011 | 03h10

Banquete de Casamento, Comer Beber Viver. Os primeiros filmes de Ang Lee tratavam de família e também de homossexualismo. Bem-sucedido no circuito dos festivais e cada vez mais popular nos mercados de língua inglesa, ele foi chamado a fazer Razão e Sensibilidade. A adaptação de Jane Austen terminou de consagrá-lo. Vieram depois O Tigre e o Dragão e O Segredo de Brokeback Mountain, com o qual Ang Lee ganhou seu Oscar de direção.

A história dos caubóis gays - na verdade, eles cuidam de ovelhas - já havia sido premiada em Veneza e fez sensação pelos amassos entre dois dos astros mais viris da nova geração de Hollywood - Jake Gyllenhaal e Heath Ledger. O rumor do sexo sobre Brokeback Mountain começava a se dissipar quando Ang Lee voltou a Veneza e ganhou o Leão de Ouro com nova provocação. É o destaque de hoje da TV paga.

Na Xangai dos anos 1940, numa época de muita espionagem, grupo de estudantes forma célula secreta e decide assassinar um colaborador dos japoneses que ocupam a China. Para se infiltrar junto ao inimigo, os jovens selecionam uma garota. Ela inicia com o cara uma relação complicada, na qual desejo e perigo - como indica o título - andam juntos.

Como todo filme do autor, este trata do conflito entre o racional e o emocional. Não foi exatamente por aí que Desejo, Perigo provocou tanta polêmica. Ang Lee foi além de Brokeback Mountain e filmou o sexo explícito de homens e mulheres. Tony Leung e Wei Tang. chegam às vias de fato do sexo. A trilha que ele percorre aqui no cinema de autor é a mesma que havias sido aberta por Nagisa Oshima em Império dos Sentidos, nos anos 1970.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.