Andréa Beltrão vive a pior atriz do mundo em 'Jacinta'

Jacinta é uma mulher apaixonada pela arte, mas de escassos recursos - diante da rainha de Portugal, Dona Maria, por exemplo, ela interpreta tão escandalosamente mal um texto do poeta Gil Vicente que a monarca perde o ar e, antes de falecer ali mesmo, vaticina: "Meu último desejo é que matem essa mulher. Salvem o teatro, matem a que se diz Jacinta".

UBIRATAN BRASIL, Agência Estado

06 de agosto de 2013 | 10h56

Começa assim, no reino de Portugal do século 17, o destino da pior atriz do mundo, protagonista do musical Jacinta, que estreia sexta-feira, 9, no Sesc Vila Mariana, zona sul de São Paulo, depois de uma bem sucedida temporada de sete meses no Rio de Janeiro.

Em vez de perder a vida, Jacinta é degredada, viajando em uma caravela até o Brasil, onde percorre terras e coleciona fracassos, com o obstinado desejo de ser reconhecida pela arte da representação. "Mais que uma atriz sem talento, Jacinta é uma mulher ingênua que tem um sonho e, mesmo sem jamais conseguir realizá-lo, não desiste jamais", comenta Andréa Beltrão, intérprete da protagonista. "Como qualquer pessoa no mundo, ela faz escolhas infelizes, tolas, mas sempre com aquela pureza de quem está eternamente descobrindo o mundo."

Foi esse o ponto de partida para que Andréa descobrisse o rumo certo para a personagem. Ao invés do exagero, que poderia descambar em uma caricatura, ela, uma das melhores atrizes da atualidade, buscou a sutileza do exagero, a beleza do grotesco, a alma do fracasso. Por conta disso, os desacertos de Jacinta fazem a plateia rir sem notar que acha graça de si mesma.

Escrito inicialmente como texto sem canções pelo dramaturgo Newton Moreno, Jacinta ganhou um novo perfil graças ao diretor Aderbal Freire-Filho, que viu na obra um potencial para que fosse transformada em musical. Para isso, formou-se um trio com a chegada do músico Branco Mello, dos Titãs, e, do trabalho conjunto, surgiram 13 canções além de nove temas instrumentais, todos compostos por Mello em parceria com Emerson Villani.

JACINTA - Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141, 5080-3000. 6ª e sáb., 21 h; dom., 18 h. De R$ 6,40 a R$ 32. Até 22/9. Estreia sexta (9/8) - sescsp.org.br

Tudo o que sabemos sobre:
teatroJacinta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.