Ana Hickmann se lança como grife

Loira, olhos azuis, 1,85 m de altura, carinha de anjo e espírito espevitado, Ana Hickmann é um monumento nacional. A modelo de 21 anos vive dias de puro luxo, glamour e riqueza. Ontem, na companhia de Gisele Bündchen e Adriana Lima, passou o dia em um estúdio em Los Angeles, filmando o novo comercial da grife de lingerie Victoria´s Secret, dirigido por Michael Bay. O cachê: US$ 250 mil.Na semana que vem, ela estará no Brasil para se lançar como grife. Ana é a primeira modelo a licenciar seu nome e vai virar sapatos da Vizano. Desde que saiu de Santa Cruz do Sul (RS), em 97, ela vem construindo sua carreira em doses homeopáticas. Fez tudo a seu tempo. Em vez de explodir de uma vez só - como a também gaúcha Gisele -, atingiu o olimpo das mulheres mais belas do mundo devagarinho, onde chegou para ficar.No ano passado, assinou contrato de US$ 1,2 milhão por ano com a Schwartzköpf & Henkel para ser a imagem mundial da linha de cremes para corpo da marca. Faz campanhas internacionais para a L´Oreal, Wella, Nívea, Blomingdale´s. Por aqui, além da campanha da Vizano para o inverno 2002, também está nas peças do Shopping Iguatemi. Participa de alguns dos principais desfiles no planeta fashion, como Empório Armani, Kenzo, Versace, Prada, entre outros. Estampa editoriais para publicações do porte da Elle, Marie Claire, Allure, Arena, Cosmopolitan e GQ - revista inglesa pela qual foi eleita uma das dez mulheres mais bonitas do mundo.No dia-a-dia, Ana não se deslumbra - e tira proveito do bom dinheiro que ganha. Acabou de mudar de apartamento em Nova York, onde mora, e tem investido em negócios no Brasil. Abriu um estúdio fotográfico e uma agência de DJs, atividades que são gerenciadas pelo maridão Alexandre Corrêa, 30 anos, um dos responsáveis por sua existência como top model. "Conheci a Ana em 97, ela tinha acabado de chegar a São Paulo e estava em uma agência fraquinha, com gente picareta. Na hora, por ter sido modelo, senti o potencial dela e contatei o Eli, da Mega." Em Nova York, seu passe pertence à ID Models.A top começou como toda modelo, fazendo editoriais para revistas de adolescentes e com a inevitável viagem ao Japão, onde as new faces vão para "fazer dinheiro". "Quando ela voltou, veio com outro book e mais experiência. Daí começou a aparecer na Elle, Vogue, Marie Claire e participou do MorumbiFashion e BarraShopping", lembra o marido - com quem Ana casou entre um desfile e outro, literalmente.Ela estava participando do MorumbiFashion e sabia que só as meninas com mais de 18 anos obtinham licença de trabalho de Paris, para onde pretendia ir. Não teve dúvidas. "Vamos casar no civil", disse para Alexandre. No dia 14 de fevereiro, ela aproveitou o intervalo entre dois desfiles, foi ao cartório e pronto. "A mentalidade dela nunca correspondeu à idade, sempre foi rebelde em casa. De anjo, a Ana só tem a cara", entrega Corrêa.O ano em Paris foi maravilhoso. Ao chegar fechou uma campanha imensa para a Wella. "Ela foi pronta para quebrar", diz Corrêa. Em 99, o casal mudou de vez para Nova York, base da modelo até hoje. "Ela é uma modelo comercial e logo tirou do mercado americano o que eles têm de melhor: dinheiro."Na época, o look "heroína chique" passava longe do biotipo de Ana, que, em vez de se render ao mercado, assumiu seu ar de mulherão, tipo Claudia Schiffer. E conquistou espaço como uma mulher cara. Paga quem pode. Se o dinheiro não der, pelo menos será possível levar a moça em forma de sapato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.