Amor é que nem maré no DNA de Jorge Vercillo

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2010 | 00h00

Cantor. Total esmero pelas canções de seu novo trabalho, D.N.A. Foto: Camilla Maia/Divulgação  

 

No novo CD de Jorge Vercillo, D.N.A., estão encontros tão distintos quanto o que resultou na faixa de abertura, a balada Há de Ser, com o ídolo Milton Nascimento, e a parceria com sua mulher, Gabriela Vercillo, letrista de Memória do Prazer. "Esse CD sou eu", conta Vercillo, que inaugurou estúdio em sua casa, na Barra da Tijuca.

Da identidade desse ex-cantor da noite, que em 16 anos de carreira vendeu mais de 1,5 milhão de CDs e DVDs, fazem parte também as parcerias com Ana Carolina (Um Edifício no Meio do Mundo) e Dudu Falcão (Deve Ser). Trata-se de uma faixa-bônus, que Vercillo gravou há três anos e à qual voltou por conta da novela Viver a Vida, que a incluiu na trilha sonora.

Outra regravação é O Que Eu Não Conheço, sua com Jota Velloso já registrada por Maria Bethânia. Verdade Oculta é um samba, com direito a cavaquinho, tamborim e pandeiro; Quando Eu Crescer tem influência africana, e versão em kimbundo, língua falada em Angola.

Além de Milton, foram convidados outros artistas que Vercillo admira, como o cantor paulista Filó Machado, que divide com ele Arco-Íris, e a cantora paranaense Ninah Jo (Memória do Prazer).

D.N.A é seu oitavo CD, e o primeiro na Sony. O disco de estreia saiu em 1994, e tinha o hit Encontro das Águas. Em 2000, Final Feliz tocou à exaustão; em 2002, foi a vez de Que Nem Maré, Homem-Aranha e Fênix estourarem; em 2003, chegou Monalisa.

Desta vez, ele teve bastante tempo para conceber o CD. Coprodutor, com Paulo Calasans, preocupou-se com cada arranjo - em Memória do Prazer, quem conduz é Jaques Morelenbaum.

"Nos últimos anos tenho tido esse esmero grande com os arranjos. O tempo é um luxo, e nesse CD pude escolher tudo com mais calma", diz Vercillo, que impregnou suas letras com questionamentos esotéricos e ufológicos e de sua "busca da espiritualidade por meio da intuição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.