EUROPA FILMES
EUROPA FILMES
Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Amigos para sempre

Vocês possuem a lista dos amigos que atravessaram a última década e ainda são eleitos do seu coração?

Leandro Karnal, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2022 | 03h00

Minha primeira e mais antiga amiga foi minha irmã Rose. Meu fiel amigo no primário (hoje seria a primeira etapa do Ensino Fundamental) foi o Raul. 

Cultivei amizade no Ensino Fundamental com a Simone e a Mariângela. No Ensino Médio, fiquei próximo da Márcia e do Jorge. Fazíamos grupos de estudos. Eu era melhor em História e Português; o Jorge tentava nos ensinar Física e Matemática. 

Na faculdade, reencontrei a Simone e me aproximei da Virgínia. Encontrei também o Sérgio, que seria pioneiro na vinda a São Paulo para a pós-graduação. Ele acabou me convencendo a imitá-lo. 

Na vida de professor, fiquei muito amigo da Valderez e do José Alves. Quando criei meu escritório, surgiu a amizade com o Igor. As idas ao Rio fizeram surgir o Ricardo. A busca de bons médicos levou-me ao Jairo e à Luci. A CNN me trouxe Gabriela. 

Sou cercado de muitos amigos. Identifiquei alguns nomes, omitindo muitos, claro. A lista é bem maior. 

A música A Lista (Oswaldo Montenegro) nos desafia a pensar na passagem do tempo. “Quantos você ainda vê todo dia, quantos você já não encontra mais?” 

Nas formaturas, existia o hábito algo kitsch de cantar “amigos para siempre”. Bem, eternidade é um desejo, raramente realidade. Os amigos vêm e vão, podem mudar, porque a vida é rápida. Mesmo sabendo que não existe algo fixo no universo, confio nos meus amigos, sinto falta deles. Amo ter uma noite com longas conversas e busco amparo nos momentos difíceis. 

Já fui traído... Existe “chifre” na amizade? Sim, infelizmente. São os que nos atacaram pelas costas ou se revelaram infiéis a um segredo guardado. Acontece. Somos humanos. Talvez doa mais do que ataques de inimigos. O “fogo amigo” é algo destrutivo nas guerras, na política e nas amizades. 

Voltando à música: vocês possuem a lista dos amigos que atravessaram a última década e ainda são eleitos do seu coração? Quem era sua amizade mais íntima em 2012? Onde ela está?

Meus amigos e minhas amigas me fazem falta. A maioria existe há muitos anos. Somos sobreviventes da vida e de nós mesmos. Imagino encerrar a vida com alguns ao meu redor, como em uma cena do filme As Invasões Bárbaras. Comeríamos, beberíamos uma última vez e riríamos com sentimentos intensificados pelo fim próximo. Vivi com eles e, feliz, morreria olhando para meu círculo íntimo. É uma esperança: amigos na luz da vida e no mistério da morte. Afinal, amigos deveriam ser uma esperança para sempre.

Tudo o que sabemos sobre:
Leandro Karnal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.