Amigos fazem festa para Mário Lago

Os 95 anos de Mário Lago - ator, escritor e compositor de "Amélia", "Aurora" e "Nada além", entre outros clássicos - vão ser comemorados como ele gostaria, com festa e música. Um CD triplo, um documentário em DVD e um livro de fotos está em produção para serem lançados para convidados em 26 de novembro, dia de seu nascimento em 1911, e em 4 e 5 de dezembro, para o público, no Teatro João Caetano. O CD já começa a ser gravado, com Caetano Veloso, Beth Carvalho, Lenine, Nelson Sargento, Paulinho da Viola, João Bosco e Zeca Pagodinho cantando, Fernanda Montengro, Bete Mendes e Osmar Prado dizendo seus poemas. No DVD, virão entrevistas de Lago e trechos de novelas da Rede Globo, onde ele atuou de 1968 até pouco antes de morrer, em 2002.´Esta era uma idéia de papai. Ele queria reunir sua obra em CD e chegou a fazer a pré-seleção com meu irmão, Mariozinho´, conta a filha do artista, Graça Lago. ´Nossa intenção é promover eventos durante o ano que vem, porque sua obra é imensa e tem várias vertentes. Tínhamos até pensado em reeditar o show "Causos e Canções de Mário Lago", que ele fez durante os anos 90 em pelo País, mas a peça "Ai que Saudades de Mário Lago", de Marcos França preencheu esta lacuna´, completa Mariozinho. ´Ele produziu muito, até o fim da vida. Em seus papeis, descobrimos musicas inéditas, textos para teatro, poemas e crônicas. Esse material será editado, junto com seus livros já publicados. Os CDs e o DVD são apenas o início das comemorações de seus 95 anos.´Mário Lago foi um dos artistas mais longevos do Brasil. Já nos anos 30, atuava e escrevia no teatro de revista, compunha canções e marchinhas de carnaval e escrevia em jornal. Nos anos 40 e 50, foi radioator e escreveu programas para a Rádio Nacional, então a principal emissora do País, mais ou menos como uma Rede Globo pré-canais a cabo. Lá redigia programas humorísticos, peças curtas e novelas, mas também fornecia repertório para os cantores que eram os ídolos nacionais. Dessa época são clássicos como "Aurora", "Amélia" e "Atire a Primeira Pedra" (com Ataulfo Alves) e Nada Além (com Custódio Mesquita). O golpe militar de 1964 quase o calou, levou-o à prisão, mas em 1968 ele reapareceria como ator na Globo, onde estreou na novela "O Sheik de Agadir", fez mais de 40 novelas e atuou até dezembro de 2000, num episódio de "Brava Gente".´A Globo cedeu todos os seus arquivos e vamos usar também o depoimento de Mário Lago no Museu da Imagem e do Som do Rio, que foi gravado também em vídeo, e duas longas entrevistas ao Fernando Faro, na TV Cultura de são Paulo. Há ainda entrevistas só em áudio, que vamos usar ilustrando com fotografias. Vamos fazer ainda um making of da gravação do CD´, adianta Marizinho Lago. ´Ele escreveu dois livros de memórias, "Na Rolança do Tempo" e "Bagaço de Beira de Estrada", que foram editados pela José Olympio, hoje Bertrand Brasil. Queremos relançá-los num só volume e ainda há muitos textos inéditos, inclusive uma peça teatral, "Foram quatro Tiradentes na Conjuração Baiana", censurada nos anos 60 e inédita até hoje.´Este acervo está guardado no Arquivo Nacional, que o recebeu poucos meses após a morte de Mário Lago, quando os filhos desfizeram o apartamento em que ele viveu por mais de 40 anos, em Copacabana. Apesar de não ser o tipo de documentos com que a instituição trabalha, o diretor Jaime Antunes, explicou que o engajamento de Lago na vida política do País transcendia sua arte. Hoje, quatro anos depois, os documentos já foram higienizados e receberam uma primeira catalogação, que permite sua consulta por pesquisadores, embora ainda não esteja à disposição do público em geral. ´É um trabalho demorado, pois pretendemos criar um espaço específico para seu acervo´, explica a responsável pelos tratamento e preservação dos arquivos, Inês Stampa.O CD terá interpretações preciosas dos sucessos. Maria Bethânia deve gravar "Nada Além", enquanto "Amélia" e "Atire a Primeira Pedra" virão numa só faixa com o veterano Roberto Silva. Aurora deverá ser cantada por todo o elenco e, possivelmente, Chico Buarque puxará os versos iniciais. Há ainda quatro inéditas. Beth Carvalho vai cantar "Não Tem mais Jeito", em parceria com Mariozinho Lago, Luiz Melodia faz Presença, Zezé Gonzaga e Oswaldo Cavalo (vocalista de Zeca Pagodinho) cantam "É Gostoso como Quê" e Elton Medeiros ficou com "Obrigado, Querida", parceria dele e de Lago. "Quem É Você?", que ficou para Caetano Veloso, não entrava seleção de Mário Lago. ´Mas é tão linda que não podia ficar de fora´, confessa Graça Lago.No segundo semestre de 2007, haverá uma exposição sobre ele, com o material guardado no Arquivo Nacional, exibição de novelas e audição das músicas gravadas. Até lá, Mariozinho Lago espera ter liberado os três CDs e o DVD para venda. Por enquanto, a tiragem de 3.000 exemplares será distribuída para escolas e bibliotecas públicas. ´Estamos criando a Fundação Mário Lago, que vai facilitar a divulgação de sua obra tal como ele queria´, conclui Mariozinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.