Amigos e fãs se emocionam no velório de Golias

Por maior que fosse a obsessão do humorista Ronald Golias em provocar nos outros gargalhadas, seus amigos de trabalho e o público fã não seguraram as lágrimas no velório que acontece na Assembléia Legislativa, em frente ao Parque do Ibirapuera em São Paulo.O presidente do Grupo Silvio Santos, Luiz Sebastião Sandoval, foi um dos primeiros a chegar no local. "O Golias trabalhou até o último momento de sua vida. Ele dizia que não contava piadas, contava histórias", disse ele. Discreto e evitando as câmeras de TV, o locutor do SBT dono da voz mais conhecida do Brasil, Lombardi, comentou que gostava de ver as imitações que Golias fazia de sua voz nos humorísticos da casa. "Tudo que ele fazia nos corredores do SBT era motivo de ´cascar o bico´. Foi um dos poucos que soube imitar bem minha voz", disse Lombardi.O corpo de Ronald Golias chegou às 16h30 à Assembléia Legislativa, acompanhado da filha Paula e dos netos Arnon, 6 anos, e Eron, 9 anos. A mulher de Golias, Lúcia Mello Machado, acompanhou o sofrimento do marido no hospital desde o dia 8 de setembro. "O Golias acreditava que só pelo bom humor, pelo ´bom dia´ bem dado ao outro que se deixava uma passagem digna neste mundo." Silvio Santos e Raul GilLúcia conta que Golias manteve suas manias até o último dia em que ficou consciente. O comediante, segundo ela, tinha TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), era ritualista em casa, extremamente organizado e adorava etiquetar pastas e documentos pessoais. "À noite, ele pegava uma folha de papel e escrevia tudo o que tinha que fazer no dia seguinte. Ele não sossegava na manhã do outro dia se não seguisse a lista à risca", conta Lúcia, que estava separada de Golias, mas ainda dividia a mesma casa com ele nos últimos meses.Muitos colegas de trabalho do humorista compareceram ao velório. O patrão Silvio Santos chegou com o irmão, Henrique Abravanel, às 17h30, cumprimentou Lúcia, Paula e os netos e foi embora sem falar com a imprensa. O apresentador Raul Gil também foi prestar condolências à família. "Eu tinha 15 anos quando o conheci e ele tinha 25 anos e já era um astro. O Golias foi o Carlitos brasileiro."Carlos Alberto da Nóbrega era um dos mais emocionados no velório. Acompanhado pela mulher e alguns amigos, o apresentador do A Praça É Nossa contou que conheceu o amigo no dia de seu aniversário, 4 de maio. "Ele estava sempre sorrindo, sempre brincalhão. E olha ele aqui, nos fazendo chorar", disse Carlos Alberto. Eram quase 19 horas, quando o humorista Moacyr Franco chegou ao velório. Franco foi o último a trabalhar com Golias, no programa O Cunhado. Emocionado disse: "Golias nunca fez ninguém chorar, só hoje". O corpo de Golias será velado até às 9h30 de amanhã, quando será levado para o Cemitério do Morumby, onde será sepultado, por volta das 10 horas.Artistas emocionados no velório"Ele foi um dos comediantes mais geniais da TV brasileira. Fez parte de toda a história da televisão", comentou o apresentador Serginho Groismann, no velório. Visivelmente emocionada, a comediante Fafi Siqueira, disse que não irá encerrar sua carreira por causa da morte de Golias. "A família me disse que ele continuará vivendo no meu rosto", disse a humorista, que faz imitações de Golias. Para o humorista Ari Toledo, a morte de Golias deixa o humor mais pobre. "Conheço o Golias há mais de 40 anos e é uma tristeza muito grande assistir a morte dele. Os humoristas hoje em dia são uma raça em extinção".Hoje, em homenagem ao humorista, a Record exibe um especial com melhores momentos de Ronald Golias na Record, inclusive com cenas da Família Trapo. A partir das 23h15, no Show do Tom.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.