Miele. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
Miele. Foto: MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Amigos e familiares se despedem de Luiz Carlos Miele

Velório é realizado na Câmara Municipal do Rio; enterro está marcado para as 16h no Cemitério do Caju

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

15 Outubro 2015 | 10h17

RIO - O corpo do produtor musical, diretor e ator Luiz Carlos Miele é velado por familiares, amigos e admiradores desde as 7h desta quinta-feira, 15, na Câmara Municipal do Rio, no centro da cidade. Miele foi encontrado morto, aos 77 anos, na manhã de quarta-feira, 14, no escritório de sua casa, em São Conrado (zona sul). A família acredita que ele foi vítima de um enfarte fulminante. O enterro será às 16h, no Cemitério do Caju, na zona portuária.

O cantor e compositor Wilson Simoninha, filho de um dos maiores parceiros de Miele, Wilson Simonal, compareceu ao velório e disse que o produtor era "um gênio". "Vai deixar muita saudade. A gente está triste, mas ao mesmo tempo, acho que ele não ia ficar feliz se visse a gente triste. A gente tem que celebrar a vida dele e a obra dele, tudo o que ele fez pelo entretenimento", afirmou.

A irmã de Miele, Eliane Miele, chegou por volta de 7h45 à Câmara Municipal. Muito emocionada, não quis falar com a imprensa. O ator Osmar Prado e a bailarina Aline Riscado (com quem Miele participou da "Dança dos Famosos", do "Domingão do Faustão" em 2014) também prestaram suas homenagens ao artista.

A empresária de Miele, Vania Barbosa, afirmou que o produtor ultimamente sentia "urgência" em realizar projetos, apesar de não aparentar nenhum problema de saúde. Mesmo com um currículo variado, Vania considera que só faltou a Miele ser compositor.

"Miele fez de tudo um pouco. Fez teatro, cinema, TV. Ele só nunca compôs. Só uma vez, uma coisa muito simples com o Roberto Menescal e em outra ocasião com o Jorge Aragão. Acho que ser compositor mesmo era a única coisa que faltava no Miele", declarou Vania

Mais conteúdo sobre:
Luiz Carlos Miele Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.