Amigos e arquitetos falam sobre Oscar Niemeyer

'Fui várias vezes ao escritório dele para ficar parado, vendo-o trabalhar, como se aquele ar divino pudesse entrar em mim', diz Sergio Rodrigues

06 de dezembro de 2012 | 18h22

Reconhecidos arquitetos e designers lamentam a morte de Oscar Niemeyer, maior ícone da arquitetura brasileira, que faleceu na noite de quarta-feira, 05, em decorrência de uma infecção respiratória, de acordo com a equipe médica do Hospital Samaritano, do Rio de Janeiro.

Chico Buarque, cantor e compositor - "Oscar Niemeyer teve uma vida muito bonita. Foi um dos maiores artistas do seu tempo e um homem maior que a sua arte."

Santiago Calatrava, arquiteto espanhol, autor do projeto do Museu do Amanhã, em construção na zona portuária do Rio - "Eu era estudante quando ouvi falar do trabalho de Oscar Niemeyer. O Palácio Capanema, no Rio, o Palácio da Alvorada e sua colunata, a Catedral de Brasília me fascinavam. Ressalto a igreja de São Francisco de Assis (parte do conjunto da Pampulha), em Minas Gerais. São alguns dos trabalhos mais belos do mundo da arquitetura. Oscar Niemeyer é um exemplo para os arquitetos. Morreu praticamente diante de uma mesa de desenho. Como grandes pintores, como Picasso, que trabalhou até dois dias antes de morrer. Niemeyer nos ensinou que o arquiteto pode ser um grande artista e que a arquitetura é uma arte."

Sergio Rodrigues, arquiteto e designer - "Tive uma ligação, embora não fosse diária, muito boa com Oscar. Era uma pessoa que não era como Lúcio Costa, que você olhava e se entusiasmava. O Oscar, com os amigos e pessoas próximas, era de uma gentileza incrível. Com quem não tinha ligação, ele não era grosso, mas era como se dissesse `chega para lá'. Fui várias vezes ao escritório dele para ficar parado, vendo-o trabalhar, como se aquele ar divino pudesse entrar em mim. O ficar calado era de qualquer maneira receber uma mensagem. Da última vez em que estive lá, encontrei-o trabalhando em uma cadeira Oscar Niemeyer, que fiz em 1956. Ele disse: `Não é para puxar saco, não. É que eu sento e gosto mesmo'. Fiquei ainda mais satisfeito por ele ter dito isso para mim".

Jair Valera, arquiteto que desenvolve projetos de Niemeyer - "Trabalhamos juntos por mais de 30 anos. Nos víamos diariamente. Esse último mês foi muito desgastante, ele estava muito cansado. Mas, ao mesmo tempo, queria voltar ao escritório, queria trabalhar. Foi o que mais me chamou a atenção: até o último dia se preocupava com trabalhos, se os projetos estavam atrasados. Tivemos uma convivência muito próxima, de amigo. Aprendi praticamente tudo com ele - como arquiteto e como exemplo devida."

Ítalo Campofiorito, amigo de Niemeyer e companheiro na construção de Brasília, entre 1958 e 1960 - "Oscar Niemeyer chegou a Brasília em junho de 1958, eu cheguei em outubro. Éramos 16 jovens arquitetos. Eu não acreditava que tudo pudesse ficar pronto em dois anos, mas ficou. Oscar era entusiasmado, otimista. Ele era e é um gênico. O princípio de Oscar era confiar no futuro. Morávamos em uma vila, Oscar era o chefe, mas a casa dele era igual à de todo mundo. O mesmo pó que entrava na nossa casas entrava na casa dele. Ele ganhava 60 mil cruzeiros, eu ganhava 35 mil. Oscar liderava a gente o tempo todo, tinha um coração fantástico, era amigo, generoso. Trabalhava como todos, das oito da manhã às oito da noite. Ele tinha 25 anos a mais que eu, no início havia uma distância. Depois, o tempo passou e a diferença de idade acabou. Ele queria viver, não queria morrer. Toda vez que ele acordava, falava em trabalho. Dizia `eu tenho que ir ao escritório'. Quando estávamos em Brasília e tinha avião, vínhamos para o Rio. Ele ia e voltava de automóvel, sempre teve medo de avião. Fazia parte da vontade de viver." 

Paulo Casé, arquiteto - "Com a morte, ele provou que é um ser humano. Era um gênio imortal e continua sendo. A obra dele carrega uma força tal e tal ineditismo que surpreendeu a todos a vida inteira. Foi meu guru, o guru da minha geração, não só na arte, mas nas atitudes. Uma pessoa corajosa e suave. A revolta dele era transmitida de maneira suave, tinha algo de divino, era de embasbacar. Muitas vezes fui conversar com ele sobre assuntos não arquitetônicos. Ele teve uma vida excelente, contornava os sofrimentos com a própria vida. Fiquei muito sentido. É um sentimento que envolve todo o Brasil. Oscar Niemeyer superou todos os ataques que recebeu. Quando se falava da arquitetura formal, ele era criticado, chamado de formalista, mas sempre foi em frente. Em determinado momento, entenderam o que ele queria dizer. A forma é a própria arquitetura e abriga diversas funções."

Sabino Barroso, arquiteto e um dos remanescentes do Grupo de Brasília - "Meu contato com Oscar se iniciou acidentalmente, de um encontro dele com o meu tio, o escritor Aníbal Machado. Meu tio comentou que tinha um sobrinho que estudava arquitetura e Oscar gentilmente disse que eu podia procurá-lo. Era 1950 e desse encontro se iniciou uma relação que durou mais de 60 anos. Em Brasília, trabalhei desde o início. Ele sempre foi excepcionalmente democrático a vida toda. Tinha relação firme e positiva com a equipe. Mantivemos por anos reuniões na casa dele, duas vezes por semana, em que discutíamos filosofia, política, mas de uma maneira leve, aberta. Isso parou repentinamente depois que ele teve degeneração na mácula, já não podia mais ler. Isso prejudicou a relação dele com os outros. Também sentiu muito a perda da Anna Maria. Eles eram muito próximos. Foi uma perda que pesou muito para ele."

Zaha Hadid - arquiteta iraquiana radicada em Londres, vencedora do Prêmio Pritzker em 2004 - "É uma perda tremenda. Oscar era um cavalheiro e um arquiteto verdadeiramente grande - um talento virtuoso! Seu trabalho visionário teve a mais profunda influência, com o mais alto grau de originalidade e sensibilidade espacial, e me incentivou a prosseguir em minha própria arquitetura de fluidez total. Muitos arquitetos trabalharam com a forma, mas Oscar levou seu trabalho a um nível muito mais elevado, com o concreto derramado em belas formas fluidas. Nossa profissão perdeu uma grande voz." 

Tudo o que sabemos sobre:
Oscar Niemeyerarquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.