Amigos despedem-se de Avancini

Cerca de cem pessoas, entre artistas e parentes, velaram o corpo do diretor de TV e cinema Walter Avancini, que morreu ontem aos 66 anos. De manhã, os atores Deborah Secco, Maurício Mattar e Luigi Barrichelli, protagonistas de seu último trabalho, anovela das 18 horas da TV Globo A Padroeira, estiveram na capela 1 do cemitério São João Batista, zona sul do Rio, para se despedir de Avancini."Vou guardar a lembrança de uma pessoa que me ensinou muito, apesar dopouco contato. Elepassava conceitos em poucas palavras. Também em poucas palavras, tiravade você o que você podia render", disseBarrichelli, que trabalhou com o diretor somente em A Padroeira, novelada qual Avancini foi afastado no início do mês de julho por já estarfisicamente debilitado pelo câncer.Deborah e Mattar chegaram juntos à capela, fizeramorações junto ao corpo e saíram sem dar declarações. Os atorescomeçaram a namorar nos bastidores da novela das 18 horas. O autor daatração, Walcyr Carrasco, também compareceu ao velório. A atriz TaísAraújo, que foi descoberta por Avancini, que a dirigiu na novela Xicada Silva (1996), ficou por várias horas ao lado do caixão. "Perdi meumestre", disse.Denise Saraceni, diretora de TV ? que vai dirigir a novela quesubstituirá A Padroeira, A Dança da Vida, contou que aprendeu tudo comAvancini. "Fui produtora dele por cinco anos. Ali observei a busca queele fazia para encontrar uma linguagem brasileira de TV. Ele acreditavaque existia uma alma brasielira que deveria ser tocada pela TV. Devomuito a ele." O ator Francisco Cuoco, que trabalhou com o diretor em duas novelas,Selva de Pedra (1972) e Sétimo Sentido (1982), acredita que ele é"insubstituível". "Ouso até dizer que ele é o nosso Orson Welles, pelafidelidade a seu trabalho." O ator Marcos Frota ressaltou que "o bonitono Avancini é que ele terminou trabalhando."A primeira mulher do diretor, Calpúrnia da Rosa Avancini, com quem elefoi casado por 18 anos e teve três filhos ? Alexandre, diretor de TV,Andréa, atriz, e Otávio, artista plástico ? disse que ele "foi umlutador até o final". "Ele sentia muitas dores, mas sempre minimizavapara não precoupar a gente. Acho que ele sentiu muito por ter saído danovela, mas a saúde dele não permitia mais. Ele não queria que aspessoas soubessem que ele estava doente e nós respeitamos."A segunda mulher, Debora Fuchs, mãe de Antônia, de 10 anos, também foi dar seu adeus. O atorPaulo Goulart, que fez cinco novelas com o diretor, disse que "ele nãoera um carrasco, mas um profissional que pedia que as pessoas fossemprofissionais". "As pessoas diziam que ele tinha um temperamentoditatorial, mas, muitas vezes, quando se lida com o coletivo, as coisassó funcionam quando o diretor tem um objetivo claro."Compareceram ainda ao velório os atores Ney Latorraca, Murilo Benício,Carolina Ferraz, Mauro Mendonça, Rosamaria Murtinho, Otávio Augusto,Stênio Garcia, Murilo Rosa, Tony Ramos, Oswaldo Loureiro, Cecil Thiré eRosamaria, além do diretor Ivan Zeppel.Veja galeria de fotos

Agencia Estado,

27 de setembro de 2001 | 13h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.