Americanos conhecem mais Simpsons do que Constituição

Ao que tudo indica, os norte-americanos conhecem mais a série de televisão The Simpsons do que a Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos.O resultado da enquete realizada pela companhia de investigação Synovate junto com o Museu McCormick Tribune mostrou que só um em cada quatro norte-americanos pode mencionar as cinco liberdades garantidas pela Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos - liberdade de expressão, liberdade de imprensa, livre exercício de religião, livre associação pacífica e direito de fazer petições ao governo com o intuito de reparar agravos. Enquanto isso, mais da metade dos entrevistados pôde mencionar ao menos dois personagens dos Simpsons.A Primeira Emenda é uma parte da Declaração de direitos dos Estados Unidos que impede o Congresso de infringir os direitos fundamentais citados. Mais de 22% dos norte-americanos podem se lembrar dos cinco membros da família Simpson e só uma pessoa entre mil pode mencionar as cinco liberdades contempladas pela Primeira Emenda.Joe Madeira, diretor de exibições do McCormick Tribune, disse que estava surpreso com os resultados. "Parte da enquete mostra que realmente existem conceitos equivocados. O museu vai ajudar os visitantes a compreenderem a Primeira Emenda", afirmou o diretor, acrescentando que o museu tem inauguração prevista para abril. O estudo mostrou ainda que as pessoas se lembram com mais facilidade dos nomes de três juízes do programa de concursos da televisão norte-americana American Idol do que as liberdades da Primeira Emenda. Além de não se recordarem, as pessoas confundem os direitos da Primeira Emenda. Aproximadamente uma em cada cinco pensava que a emenda protegia o direito de ter um animal de estimação, e 38% dos entrevistados disse que a emenda continha o direito do cidadão norte-americano de não se auto-incriminar - este direito está, na realidade, protegido na Quinta Emenda.A enquete foi realizada entre os dias 20 e 22. A margem de erro foi em torno dos três pontos percentuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.