Amantes de Rodin, agora mais unidos

Os amantes das figuras de mármore que há quase um século se abraçam apaixonadamente na escultura O Beijo estão desde hoje mais unidos.A artista plástica Cornelia Parker passou quase uma semana cobrindo a estátua do francês August Rodin com um cordão de barbante de 1,6 quilômetro, firmemente atado aos dois corpos de mármore. O produto final foi exibido à imprensa no museu Tate Britain, de Londres, como parte de uma nova mostra de arte contemporânea."A instalação faz pensar como suas cabeças estão ligadas e na claustrofobia das relações humanas", informou um representante da Galeria sobre a obra, entitulada The Distance: A Kiss With Added String (A Distância: Um Beijo com Cordões Adicionais). "O trabalho de Cornélia mostra ainda o que significa ficar ligado a outra pessoa"."Também realça o contexto histórico", acrescentou o porta-voz da galeria. "Quando O Beijo foi exposto pela primeira vez na Grã Bretanha, foi considerado obsceno. Agora, não é visto de forma tão polêmica, mas a corda ao seu redor realça a impressão erótica". Rodin esculpiu O Beijo entre 1901 e 1904.A exposição entitulada Dias como Estes será inaugurada oficialmente nesta quarta-feira e continuará aberta até maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.