Amalric 'clássico'

Diretor premiado de Tournée terá novo filme, adaptado de peça do século 17, na Mostra de São Paulo

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2011 | 03h00

Pela diferença de horário - a França está cinco horas à frente -, a entrevista realizou-se cedo, no sábado. Antes das 8 (da manhã). Horário de almoço em Partis. Mathieu Amalric conversa com o repórter sobre seu novo filme, A Ilusão Cômica, uma encomenda da Comédie Française que será uma das atrações da 35ª Mostra Internacional de Cinema, em outubro. Coincidentemente, o longa anterior do ator e diretor, Tournée, ainda está em cartaz em São Paulo.

Tournée representou um tournant, uma reviravolta para Amalric, que começou a fazer cinema pensando em se impor como diretor, mas teve sucesso primeiro como ator. O prêmio de direção em Cannes, como ele diz na entrevista, o impôs, como autor, à comunidade cinematográfica da França e do mundo. O novo filme não deixa de ser uma escolha surpreendente, transpondo, para a Paris contemporânea - e filmado praticamente numa só locação, o Hotel du Louvre -, a peça clássica de Pierre Corneille, do século 17.

O curioso é que L'Illusion Comique está no teatro do Centro Cultural Banco do Brasil e o público paulistano poderá conferir a montagem antes que a versão que Amalric fez dela, somente como diretor, porque ele não integra o elenco. Os cerca de 1.700 versos alexandrinos do texto foram reduzidos radicalmente paras cerca de 500, para aproximar A Ilusão não tanto do cinema silencioso - pois o som é importante -, mas para tentar comunicar-se com o espectador tanto com a fisicalidade, palavra que ele usa bastante, quanto com o verbo de Corneille.

A entrevista foi interrompida várias vezes para que Amalric falasse com o filho. O repórter conheceu-o ainda bebê, quando visitou o set de Quantum of Solace, no Chile. Amalric fazia o vilão naquela aventura de 007. O garoto está com 4 anos e frequenta a escola maternal. "Mas ele anda aborrecido porque não gosta de seus desenhos. Está aprendendo desde cedo a lidar com suas frustrações." O pai coruja dá toda atenção ao filho. Mesmo quando filma, Amalric não desliga da família. Coincidência (outra?) ou não, A Ilusão também é sobre pai e filho. "Família é tudo, como fonte de prazer ou tormento", ele justifica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.