Alvin Lucier e os desafios da produção contemporânea

Houve um tempo em que a música nova não precisava ser explicada à distinta plateia. Toda música era nova e servia a um propósito funcional claro: entreter nobres, emoldurar ritos religiosos, grandes acontecimentos da vida e da cidade. Beethoven deu a largada no processo de criação independente da função social da música. E, ao criar sem amarras, provocou o nascimento dos chamados "explicadores", ou seja, os "especialistas" que escreviam sobre cada nova obra a fim de torná-la acessível ao distinto público. E. T. A. Hoffmann, o notável escritor de novelas e contos fantásticos, foi um dos primeiros, ao escrever nas estreias de várias sinfonias de Beethoven.

Crítica: João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2010 | 00h00

E o que Hoffmann, Beethoven e o nascimento dos explicadores nas primeiras décadas do século 19 têm a ver com o Festival Música Nova e com o concerto de quarta-feira passada no SESC Anchieta? Tudo. Se ainda hoje é necessário ler bulas sobre a música do passado para melhor entendê-las antes de ouvi-las, para os ouvintes, na música nova, contemporânea, viva, elas são vitais.

Tais informações inexistem no folheto-programa geral do festival. O programa do concerto de Alvin Lucier, atrevido compositor norte-americano de 79 anos,, lista uma série de obras que foram tocadas em dois concertos, sem dizer sequer quais as daquela noite ou os nomes dos músicos. No caso, Joaquim Abreu (percussão), Agnaldo (trombone, não peguei o sobrenome) e a cantora Caroline De Comi.

Foi assim, sem bula nenhuma, a seco, que a música interessantíssima de Lucier foi apresentada. Excelente a peça final, I"m Seating in a Room, onde o compositor lê um texto. Sua fala é gravada e devidamente desconstruída, mantendo-se apenas o ritmo e ralentando-se várias vezes a velocidade, alterando o timbre até chegar a uma pasta sonora inidentificável. Wave Songs, para soprano e CD, combina sons pré-gravados com a cantora ao vivo em emissões de notas simples, sem vibrato (o vibrato fica por conta das "ondas sonoras" pré-gravadas). Em Panorama, o trombonista faz glissandi não temperados em quartos de tom sobre notas também emitidas pelo piano de Lucier; e, finalmente, em Silver Street Car..., Abreu pilota um prosaico triângulo amplificado num ritmo sempre igual, reiterativo, brincando com dinâmicas e toques.

Escolhi este concerto, entre os muitos do Festival, justamente porque queria assistir ao vivo a uma execução da ótima Nothing is Real, para piano preparado e eletrônica. Pois fui enganado. Nothing is Real gira em torno de Strawberry Fields Forever, de John Lennon, e só foi executada no concerto da quinta-feira. Assim não há música nova que resista: sem bula, indicação correta das peças nem nomes dos músicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.