Alves Pinto aplica geometria à cultura indígena

Zélio Alves Pinto é um homem de múltiplas faces. Cartunista, designer gráfico, político - que durante três anos foi subsecretário e secretário da Cultura de São Paulo -, o artista mostra agora o resultado de suas investigações acerca de um tema que o encanta desde menino: a cultura indígena.A exposição Ameríndios II, que será inaugurada amanhã no Museu Brasileiro de Escultura (MuBE), em São Paulo, reúne uma série de investigações realizadas nos últimos anos. Utilizando formas simples como o triângulo, a linha ou faixas em ziguezague o artista promove um grande número de combinações geométricas - que evidenciam sua trajetória de artista gráfico - e cromáticas."Para mim o ameríndio não é só a forma, são os valores", explica ele, afirmando que a cor é sua paixão. Curiosamente, os trabalhos em cimento - em diversos tons de cinza - são os mais harmônicos. Neles, Zélio procura "reproduzir o gesto mais remoto de gravar".Zélio Alves Pinto - De terça a domingo, das 10 às 19 horas. MuBE. Rua Alemanha, 221, em São Paulo, tel. 881-8611. Até 18/6. Abertura às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.