Alice Munro completa 75 anos e vai parar de escrever

A escritora canadense Alice Munro, que completa 75 anos nesta segunda-feira, não é um nome exatamente popular entre leitores brasileiros. Só um livro dela em português podia ser encontrado até domingo nas livrarias (Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento, Ed. Globo, 2004, R$ 49). Coincidindo com seu aniversário, a editora Companhia das Letras acaba de lançar Fugitiva (390 págs., R$ 45), mais uma coletânea de contos, gênero que a consagrou. A autora é considerada por John Updike, Cynthia Ozick e Jonathan Franzen uma das melhores da América do Norte - a ?melhor?, segundo o último. Não há exagero nem mesmo no superlativo de Franzen.Ler Alice Munro é uma experiência fascinante. Ela parece estar sempre contando a mesma história sobre gente chucra do meio rural canadense, mas surpreende pela ameaça que emerge a cada parágrafo, tirando o fôlego do leitor.Fugitiva é uma obra típica de Alice Munro. Publicada há dois anos no Canadá e EUA, a coletânea precede o lançamento de The View from the Castle (ainda não traduzido), que deve ser seu último livro. Alice Munro anuncia que vai parar de escrever, apesar dos prêmios acumulados em sua brilhante carreira - três vezes ganhadora do Governor General?s Award, ela recebeu o Giller Prize por Fugitiva e um elogio definitivo do jornal The Times de Londres: ?Depois de ler seus contos, fica difícil lembrar por que alguém inventou a novela.?Alice Munro não se imagina escrevendo uma novela. Sua justificativa: ?Nunca pensei numa forma particular de literatura, mas, ao mesmo tempo, sei que rompo com a disciplina do conto e ignoro as regras de progressão das novelas.? O primeiro conto de Fugitiva, que dá título ao livro, é prova evidente dessa saudável indisciplina. Quando o leitor imagina que a história vai numa direção, ela toma um rumo totalmente diverso, deixando-o com a sensação estranha de que outro narrador passou a contar a história, após inúmeras interrupções e divagações dos personagens.O conto é aterrador. Reúne um casal em crise (financeira e amorosa) que planeja extorquir dinheiro de uma vizinha numa pequena cidade rural canadense. A mulher decide abandonar o marido e conta com a ajuda da vizinha, a senhora Jamieson, provavelmente uma ex-hippie que plantava maconha no quintal e escondia dinheiro em potes de vidro enterrados. Sabemos também que ficou viúva e acaba de chegar de férias da Grécia. Finalmente, o elo entre a senhora Jamieson e o casal Clark e Carla é a cabrinha branca Flora, companheira de estábulo de alguns cavalos pertencentes aos últimos. A cabra sumiu. É por meio de sua visão fantasmática que a vida desse trio se transforma.Por vezes, essas vidas até mesmo passam de um conto para outro - caso dos três contos seguintes do livro (Acaso, Logo, Silêncio). Em Acaso, uma mulher encontra um estranho num trem e Alice Munro faz o leitor viajar como se estivesse cruzando o Canadá com o casal, acompanhando a transformação de suas vidas. É o tipo de estratégia que fez Cynthia Ozick, a complexa autora de Vagalumes e Parasitas (também lançado pela Companhia das Letras) comparar a escritora canadense a Tchekhov, mestre do intimismo e do detalhe (como ele, a canadense é capaz de descrever proustianamente um móvel). Também a exemplo do escritor russo, ela conta histórias de pessoas cujos desejos não costumam combinar em nada com os de seus semelhantes. A Julieta de Acaso é um exemplo. A narradora onisciente recorre à memória da heroína para instalá-la num trem ao lado de um estranho que vai mudar sua vida.Upidke diz que Alice Munro é a grande herdeira da tradição americana. Faulkner é com freqüência associado a seu nome, mas ela se reconhece mesmo em William Maxwell e William Trevor. Nega, porém, o caráter autobiográfico desses contos, a maior parte das vezes ambientados em Clinton, Ontario, região onde Alice Munro nasceu (e viveu a vida toda). Se essas histórias se parecem, isso se deve ao fato de as cidadezinhas do interior canadense conduzirem seus habitantes a uma intimidade forçada, obrigando-os a ?desempenhar um papel? e condenando-os a ?não saber o que significa privacidade?.Sexo e violência são quase irmãos siameses nessas histórias (especialmente no conto Vândalos, do livro Open Secrets), mas isso não faz de Alice Munro ?virtuosa ou vítima?, como diz John Updike. ?Ela é simplesmente vital?, define. TrechoDe vez em quando impunha-se uma imagem que ela precisava empurrar para baixo a marteladas, pois ameaçava estragar tudo. E ela recordava o corpo real, vago e amortalhado nos lençóis, drogado e encolhendo a cada dia na cama hospitalar alugada, apenas vislumbrado nas poucas vezes em que a sra. Jamieson ou a enfermeira do dia se esquecia de fechar a porta. Ela própria, na verdade, nunca chegando mais perto dele do que isso. Na verdade ela costumava ter medo de ir à casa do casal Jamieson, mas precisava de dinheiro e sentia pena da sra. Jamieson, que parecia tão angustiada e sem rumo, lembrando uma sonâmbula. Uma ou duas vezes Carla tinha deixado o controle de lado e fizera alguma palhaçada de verdade, só para aliviar a atmosfera. O tipo de coisa que fazia na primeira vez que seus alunos montavam num cavalo (...)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.