Alfredo Bosi vence eleição da ABL

O professor e crítico literário Alfredo Bosi é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras. Ele foi eleito com 27 votos hoje à tarde para a cadeira número 12 da ABL, que pertenceu ao cardeal dom Lucas Moreira Neves. O escritor e roteirista José Louzeiro obteve 10 votos, e houve 1 voto em branco. Os candidatos Laurita Mourão e Ieda Otaviano não foram votados. Foi uma das eleições mais rápidas da Casa de Machado de Assis, pois começou às 16 horas e antes das 16h30 o presidente da ABL, Alberto Costa e Silva, proclamou o resultado.Bosi esperou o resultado na casa de Costa e Silva com a filha, Viviana, e ao saber-se eleito, declarou seus planos. "Gostaria de ser mais uma ponte entre a USP e a Academia", comentou. "Já temos outros dois acadêmicos paulistas, Miguel Reale e Sábato Magaldi, mas é sempre interessante conhecer o Brasil através da Academia." Ele pretende tomar posse no segundo semestre.A eleição estava decidida antes da sessão de ontem. Dos 38 votantes, 34 haviam mandado carta declarando sua preferência e 18 compareceram. Costa e Silva explicou que a prática é comum. "Muitos mandam carta, temendo não comparecer e vêm para votar pessoalmente, numa homenagem ao candidato", explicou.Louzeiro, que aguardou o resultado na casa do jornalista Cícero Sandroni, ficou satisfeito com seus dez votos. "Era mais ou menos isso que eu esperava. Fico feliz porque disputar com Bosi era difícil", elogiou. "Pretendo me candidatar de novo porque foi muito bom conhecer intelectuais com quem nunca tinha conversado, como o presidente Alberto Costa e Silva."Ele tem chances numa próxima oportunidade, mas terá que esperar abrir vaga na imortalidade. A próxima eleição, para a cadeira que foi do juristaEvandro Lins e Silva, acontece em 24 de abril, com 13 candidatos, quatro deles com grandes chances de vencer: a escritora Ana Maria Machado, a arqueóloga e paleontóloga Maria Beltrão, o escritor Fábio Konder Comparato e o crítico literário e professor Antônio Carlos Secchin.Carreira acadêmica - Alfredo Bosi, um paulistano de 67 anos, tem uma longa carreira acadêmica na área de Letras. Formado em Letras Latinas pela Universidade de São Paulo, ele se tornou livre-docente da própria USP em 1970. Considerado um dos principais pensadores da teoria literária do Brasil atual, Bosi tem muitos livros publicados, a maior parte de estudos sobre literatura. É dele um livro fundamental para qualquer aluno de Letras, a História Concisa da Literatura Brasileira, publicado pela primeira vez em 1970.Além deste livro, Alfredo Bosi tem em sua bibliografia obras de grande destaque, como O Pré-Modernismo, de 1966, a antologia O Conto Brasileiro Contemporâneo, de 1975, Reflexões Sobre a Arte, de 1984, e Os Melhores Contos de Ferreira Gullar, de 1983, entre outros. No ano passado, ele publicou seu 13º livro, Literatura e Resistência. Bosi foi vencedor do prêmio Jabuti em 1992, pelo livro Dialética da Colonização. Tem obras traduzidas para o espanhol e o francês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.