Alemanha não vai devolver busto de Nefertiti, diz ministro

O ministro da Cultura alemão Bernd Neumann (CDU) reiterou que a Alemanha não vai devolver ou emprestar ao Egito o busto da rainha Nefertiti, um dos tesouros artísticos mais preciosos dos museus berlinenses. Diante de uma campanha recente para emprestar ao Egito a famosa escultura de Nefertiti, Neumann se disse contrário à iniciativa por motivos de conservação. O ministro afirma que não neste caso há problemas de intercâmbio entre museus internacionais, "mas em um transporte de mais longa duração, os pareceres de especialistas apresentam dúvidas sobre a conservação" da obra. "Nefertiti fora de Berlim?", é a pergunta que traz hoje a revista Bild, que ao lado de uma foto da bela rainha egípcia traz uma pequena imagem em preto e branco de quando o busto foi encontrado, em 6 de dezembro 1912, no Egito. No ano passado, as autoridades egípcias solicitaram a repatriação do busto, que se encontra em Berlim há quase 90 anos. A escultura, datada de 3330 anos, foi encontrada durante escavações arqueológicas no Egito financiadas pelo mecenas alemão James Simon, que doou o busto ao Museu de Arte Asiática de Berlim em 1920. Depois de passar para o Museu Egípcio de Charlottemburg e pelo Kulturforum na Potsdamer Platz, Nefertiti foi enviada para o Altes Museum, na região chamada Ilha dos Museus. Em 2009, o busto deve ser definitivamente alocada no Neues Museum, atualmente em construção. Nefertiti, que era mulher do faraó Akhenaton, no poder no Egito entre 1351 e 1334 a.C., é considerada a mulher mais bonita do mundo e suas medidas foram consideradas padrões universais de beleza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.