Divulgação
Divulgação

Alemanha dividida: mostra no Masp revela falta de diálogo

Reunificação não estabeleceu diálogo artístico, como mostram 83 pinturas que raramente saem da Alemanha

Antonio Gonçalves Filho,

15 de setembro de 2010 | 16h49

A Guerra Fria não se limitou ao muro que separava as duas Alemanhas antes de sua queda, em 1989. Em 1977, na Documenta de Kassel, a principal mostra de arte alemã, artistas como Markus Lüpertz negaram-se a participar dela em protesto contra a inclusão de colegas da ex-Alemanha Oriental, entre eles o veterano Bernard Heisig, guardião da escola realista. O tempo se encarregou não só de derrubar o muro, mas a fronteira que separa esses dois pintores, hoje juntos ao lado de 24 outros na maior exposição de pintura alemã contemporânea realizada em São Paulo, Se Não Neste Tempo, que será aberta domingo, no Masp, com 83 pinturas que raramente saem da Alemanha. São obras assinadas por pintores como Gerhard Richter, Martin Lüpertz, Penck, Franz Ackerman, Immendorff e Kippenberger, entre outros.

 

Com curadoria de Teixeira Coelho e Tereza de Arruda e patrocínio da Mercedes-Benz, a exposição reúne artistas que antes nem se cruzavam - por causa do muro ou diferenças ideológicas. Veteranos como Heisig, hoje com 85 anos, membro do Partido Socialista e fundador da denominada Escola de Leipzig, defendia, por exemplo, uma pintura realista na tradição de Cranach e Max Beckman, renegando a arte contemporânea da Alemanha Ocidental, especialmente a realizada sob influência de Joseph Beuys. Assim, é justo dizer que o muro político de Berlim foi derrubado, mas não o artístico. Discípulo de Heisig, o pintor Neo Rauch, nascido em Leipzig há 50 anos, assume que seu estilo é conservador, embora resista ao rótulo de realista socialista. Na mostra, grandes telas suas mostram operárias e trabalhadores, de fato, mas com balõezinhos do tipo usados pelo pop Lichtenstein (sem legendas, desta vez), o que pressupõe um comentário irônico do autor.

 

Questões. Se o regime comunista impôs o realismo socialista em oposição à ação libertária de Beuys, por que os artistas de Leipzig, então, seguiam o expressionista Beckman, desprezado tanto pelos nazistas como pelos comunistas? Por que Heisig, voluntário da Juventude Hitlerista, passou a pintar os horrores do Terceiro Reich? Como Werner Tübke (1929-2004), expoente da escola realista de Leipzig, que se dedica à crítica social com sua pintura, assumiu justamente o estilo glorificado pelos pintores oficiais de Hitler para condenar o nazismo? São questões que incomodam também os alemães, como comprovam os curadores da mostra.

 

Teixeira Coelho conta que ele e Tereza de Arruda, visitando os museus alemães em busca de obras, tiveram de ouvir de seus diretores "que tais e tais artistas ou períodos não interessavam ou eram irrelevantes". Esses períodos "inconvenientes", segundo o curador do Masp, eram invariavelmente os anteriores à queda do muro. Entra aí não uma questão de gosto, mas política, mercadológica. Em 1989, a Alemanha Ocidental estava cheia de neoexpressionistas renegados pela Oriental por serem considerados decadentes. Hoje são estrelas na mostra do Masp, como o falecido Martin Kippenberger (1953- 1997), um dos mais paródicos representantes da escola de Hamburgo, à qual também esteve filiado o atrevido Jonathan Meese - ambos fixados em temas ligados à sexualidade fora dos trilhos.

 

Outros que trabalharam perto de Kippenberger - e para quem os diretores de museus alemães torceram igualmente o nariz - são os rebeldes Werner Büttner e Albert Oehlen, representantes do que se convencionou chamar de "bad painting" (ou transvanguarda), gênero que nos anos 1980 identificava uma pintura de aparência rudimentar, figurativa e contrária à ordem rígida minimalista da década anterior. Dois nomes da pintura alemã se destacaram por essa época, Baselitz e Kiefer, referências obrigatórias quando se fala em pintura alemã contemporânea. Teixeira Coelho justifica a ausência dos dois ao lembrar que o primeiro já teve mostra na Pinacoteca e as obras de Kiefer estiveram em exposição no Museu de Arte Moderna de São Paulo.

 

"O projeto da mostra não teve origem conceitual, não era tanto uma exposição para representar movimentos", afirma o curador, explicando que o foco era exclusivamente a pintura contemporânea alemã por ser esta "elemento marcante na identidade cultural do país". O legado dessa pintura num país dividido e as mudanças provocadas pela reunificação orientaram a escolha dos artistas participantes de Se Não Neste Tempo. Sem divisão geográfica ou ideológica delimitada, ainda assim é perceptível a qualquer leigo identificar a arte da ex-República Democrática Alemã, que cultuava o realismo, e da República Federal Alemã, excetuando-se um ou outro caso, como o de Gerhard Richter, hoje o pintor mais badalado da Alemanha.

 

Nascido há 79 anos, em Dresden, ele surgiu nos anos 1960 ao lado de Baselitz e Sigmar Polke como integrante do grupo Os Realistas Capitalistas. Dono de técnica impecável, que rivaliza com as fotografias que adota, Richter não quer reproduzir a realidade, mas reinventá-la com olhar desfocado, colocando o espectador numa situação desconfortável, a de duvidar da imagem. "Temos três pinturas dele na mostra", diz, orgulhosa, a curadora Tereza de Arruda, destacando outro de seus preferidos, o provocador Meese.

 

SE NÃO NESTE TEMPO - Pintura alemã contemporânea: 1989-2010 - ONDE: Masp. Av. Paulista, 1.578, metrô Trianon-Masp, 3251-5644. QUANDO: 11h/18h (5ª, 11h/20h; fecha 2ª). Abre dom. (19). Até 9/1. QUANTO: R$ 15 (3ª, grátis).

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhamostra no Masp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.