Além de filmes, Festival Mix Brasil terá peças teatrais

Se 2010 marcou sua maioridade, este é o ano em que o Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual passa a dar espaço à cultura e não mais só ao cinema, resume André Fisher, um dos diretores do evento, que hoje chega à sua 19.ª edição.

AE, Agência Estado

10 de novembro de 2011 | 10h42

O braço teatral está de volta. Na quarta exibição do "Dramática em Cena" há a chance de rever espetáculos que dialogam com o público LGBT. Alguns deles passaram rapidamente pelos palcos paulistanos, como "Dentro da Noite", dirigido pelo cantor Ney Matogrosso. Outros foram reverenciados por crítica e público, como "As Três Velhas", que reuniu o trio Maria Alice Vergueiro, Pascoal da Conceição e Luciano Chirolli. Há até uma opção infantil, "O Menino Teresa", de Marcelo Romagnoli, que nasceu de um quadro do extinto programa da TV Cultura Rá-Tim-Bum.

As peças estarão no Centro Cultural São Paulo, que será tomado pelo festival nos próximos dias. Isso inclui também a sala de projeções e o foyer, que recebe uma instalação com figurinos e pertences da performer Claudia Wonder. Representante da noite e da cultura underground paulistana, a transexual, morta em 2010, virou tema do documentário "Meu Amigo Claudia", atração do evento há dois anos, e ainda inédito no circuito comercial, que ganha reexibição no festival.

Não é por acaso que Claudia é mais uma vez lembrada. A Diversidade É Para Todos, tema do evento este ano, celebra especialmente a transexualidade, que assume papel central no Mix 2011. Seja em documentários ou ficções, esses iconoclastas da masculinidade e da feminilidade ganharam retratos contundentes, sensíveis e, por que não?, históricos nesta edição.

Se "Garotos Não Choram" (1999) e "Transamerica" (2005) estão na lista das produções mais recomendadas para entender a trajetória e conflitos dos transgêneros, "Romeus", longa de estreia de Sabine Bernardi, merece estar no mesmo patamar. Vale destacar também "Tomboy", escolhido para a abertura do festival.

Da 35.ª Mostra de São Paulo vêm os celebrados "Cuba Libre", de Evaldo Mocarzel, e "Olhe pra Mim de Novo", de Kiko Goiffman. Vem da Suécia mais uma vez uma comédia em torno de um assunto delicado. Em "Patrick, Idade 1,5", de 2008, a adoção de filhos por casais gays era o tema a ser discutido. Agora, política é o foco em "O Próximo Mandato". Um candidato a primeiro-ministro do país, casado há 20 anos, se vê interessado em outro candidato, este abertamente homossexual. O assunto também é o mote de "Diferente de Quem?", de Umberto Carteni.

Em comemoração ao ano da Itália no Brasil, esta edição do festival oferece um breve panorama do atual produção de filmes sobre o tema no país. Um dos destaques é "Anjos no Corredor da Morte", coprodução com o Irã que trata da pena de morte imposta pelo país do Oriente Médio aos homossexuais e o rastro de dor e inconformismo que a sentença deixa em parte da população. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

MIX BRASIL

Galeria Olido - R$ 1

Cinesesc - R$ 18

Espaço Unibanco - R$ 18

MIS - Grátis

CCSP - R$ 1

Programação: www.mixbrasil.org.br

Tudo o que sabemos sobre:
festivaldiversidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.