Imagem Sérgio Augusto
Colunista
Sérgio Augusto
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Álcool gel semântico

Só pratica o bem quem zela pela integridade das palavras e seu uso apropriado

Sérgio Augusto, O Estado de S. Paulo

20 de junho de 2020 | 03h00

Noite dessas um comentarista sociopolítico da TV criticou, com ênfase doutoral, o emprego de palavras como “genocídio” e “genocida” para qualificar as consequências da desastrosa reação do governo Bolsonaro à pandemia e seu macabro oficiante.

Só pratica o bem quem zela pela integridade das palavras e seu uso apropriado. Certos vocábulos, de tão usados fora do contexto original, arriscam-se de fato a perder sua força expressiva, a debilitar seu sentido original. Não me parece o caso de genocídio; nem de holocausto, outro frequente objeto de objeções puristas, que o tempo, com ajuda da incorrigível crueldade humana, também se espichou como sinônimo de extermínio de quaisquer pessoas ou povos.

(Para evitar melindres, o holocausto original, que em hebraico é “Shoa”, passou a ser grafado exclusivamente com h em caixa-alta.)

Genocídio, como vocábulo, só nasceu em 1943, inventado por um jurista polonês (e judeu), Raphael Lemkin, que duas décadas antes já estudava o paradigmático massacre dos armênios pelo Império Otomano, entre 1915-1923. Como é praxe há séculos, Lemkin juntou duas palavras gregas: “genos” (família, tribo ou raça) e o sufixo “cídio” (morte), estabelecendo um conceito de suma importância para os novos rumos do direito internacional, no pós-guerra. No Brasil, o genocídio é crime previsto em lei (n.º 2.889) desde outubro de 1956.

Em sua acepção castiça, genocídio é um extermínio intencional, doloso, não um aniquilamento involuntário, culposo. Como não existe uma palavra para definir morticínios motivados apenas ou acima de tudo pela negligência e incompetência de governos e seus líderes, genocídio quebra perfeitamente o galho. De mais a mais, não há por que melar a brincadeira dos internautas que pespegaram no presidente o apelido de “Genocida” e não foram, até agora, processados por calúnia, injúria ou difamação.

Pausa para uma pequena digressão. Nunca, na história deste país, um presidente da República foi tão farta e continuamente achincalhado no exterior, nem, em solo pátrio, com apelidos de variadas sílabas e pejorativas sonoridades – Bozo, Biroliro, Boçalnaro, Capetão, Mijair, Minto, etc. – quanto o atual ocupante do Palácio do Planalto.

Uma marchinha carnavalesca grudou em Artur Bernardes o apelido de “Seu Mé”; Getúlio ganhou um apelido carinhoso, “Gegê”; JK também: “Pé de Valsa”. Já o marechal Castelo Branco, o primeiro mandatário da ditadura militar pós-64, foi apenas o “Sem Pescoço”. Como se vê, nada que se compare ao patrimônio antonomástico do atual presidente.

Getúlio Vargas foi muito caricaturado, sempre de forma benigna, no rádio e no teatro de revista, onde chegou a ter intérpretes fixos como Pedro Dias e Armando Nascimento, e, antes dele, Washington Luís, encarnado pelo ator João de Deus. Oscarito bancou Dutra no teatro e Getúlio no cinema, na comédia Nem Sansão Nem Dalila. Um clone de Juscelino Kubitschek aparecia, sorridente e montado numa lambreta, no meio de um número carnavalesco sobre Brasília cantado por Linda Batista na chanchada Metido a Bacana. Nenhum deles foi achincalhado. E o mesmo se diga de Sarney, Collor e Temer.

O álcool em gel semântico esfregado em “genocídio” e “genocida” já fora utilizado, bem antes da pandemia, em outros dois cognatos: “fascismo” e “fascista”. Com as mesmas explicações de comentaristas políticos e mandarins do mundo acadêmico cujos pruridos linguísticos acabaram paulatinamente desmoralizados pelas ideias e ações do duce formado nas Agulhas Negras. Ideias que, diga-se, o franco Capetão jamais escondeu ou disfarçou em sua carreira parlamentar, e menos ainda na campanha presidencial.

Na véspera ou no dia seguinte à escandalosa censura ao cartum (sem álcool em gel) de Aroeira, surpreendeu-me um artigo publicado no jornal Valor, com o título de “Mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa”. Nele, Pedro Cafardo, editor executivo do jornal, fazia um apelo a todos os Pilatos da República que, mesmo sabendo o que esperar do candidato, ajudaram a elegê-lo, “quando a disputa democrática oferecia pelo menos seis ou sete candidatos melhores que o eleito”.

Há hoje, no Brasil, uma extensa lista de entidades e pessoas que precisam fazer o mea culpa pela escolha de 2018, prosseguiu Cafardo, enfiando no mesmo saco “as elites brasileiras, do agronegócio à indústria, passando evidentemente pelo setor financeiro”. E detalhou: “Políticos influentes se omitiram na campanha eleitoral e deram um ‘dane-se’ ao País. Oportunistas, muitos deles se elegeram governadores e deputados na sombra do candidato presidencial e agora viraram casaca como se nunca o tivessem apoiado, sem uma palavra de arrependimento e desculpas”.

Não aliviou para ninguém: “Empresários só pensaram no próprio quintal e passaram a aceitar ‘qualquer um’ desde que não fosse do PT. Igrejas se animaram com o tom conservador e as ideias retrógradas. Juízes e procuradores influenciaram o voto sem demonstrar constrangimento. Jornalistas olharam para a economia e acharam que Paulo Guedes, o Posto Ipiranga, com sua política liberal, poderia consertar o País. Mesmo que o presidente continuasse andando por aí propagando teorias bizarras, feito criança inconsequente”.

Jornalistas, insiste Cafardo, “não podem fugir de suas responsabilidades. Muitos dos que hoje ferozmente expõem as atrocidades presidenciais deveriam reler com distanciamento crítico o que escreveram no passado recente”.

Não precisei reler o que escrevi. Só lavo as mãos por necessidades sanitárias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.