Alcançar o oásis

Estava quase desistindo porque o meu enorme esforço não produzia resultados - ou melhor, produzia somente ganhos marginais, como se diz em economês, essa língua do nosso deserto mundo. Eu me agitava com o máximo de energia, embora o velho corpo não respondesse. Bem na minha frente, ela estava perplexa e me olhava aguardando o sinal das miragens que prenunciam o oásis. O tal oásis que não vinha.

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2012 | 03h09

Eu não estava nervoso quando sondei a dimensão da tarefa e comecei o movimento repetitivo que levaria ao oásis indicado no meu mapa - uma velha, bolorenta e inconfiável carta topográfica. Ademais, eu seguia os preceitos dos peregrinos aprendidos com os velhos líderes de caravanas acostumadas a cruzar o deserto quando estive no Cairo, Egito, graças a um seminário devotado a discutir uma tão necessitada "Antropologia da Angústia".

- Só depois de estar com o corpo cheio de energia é que o beduíno usa com ousadia o seu cajado, sem o qual não se anda no deserto. Até atingir esse estágio, o peregrino deve evitar usar o bordão furiosamente, pois nada substitui uma consciente timidez.

- Mas o cajado não representa o caminhante?, indaguei eu dando um pequeno gole no meu chá de menta.

- Claro! Mas lembre-se de que tudo o que representa o corpo pode sabotá-lo. A voz aponta a falsidade nas mais fervorosas preces a Alá ou o futuro adultério numa declaração de amor. As mãos tremem ao assinar um contrato matrimonial com 200 virgens, como ocorreu com o Sheik árabe-germânico Waltzer Zinder Ben-Hur, quando ele vislumbrou as delícias que o esperavam sorrindo por trás das vendas que separam fantasia e realidade. O mesmo ocorre com a parte mais importante do corpo, pois seu fracasso faz surgir a pusilânime hiena dentro do homem!

Essas palavras, ouvidas há décadas, martelavam minha cabeça na fase do aquecimento. Um pouco aqui, menos ali, muito (mas sem exagero) acolá. Eu mobilizava meu corpo parceladamente e, na medida em que ganhava confiança, as pernas e coxas davam-me um apoio crucial.

Mas o tempo passava e a engrenagem que levaria ao oásis não afinava. A alma, essa entidade ilimitada que se imagina perto de Deus e pode estar em todos os lugares, ensaiou abandonar-me. Nos seus anseios tão incontroláveis quanto uma sinfonia de Beethoven, ela iniciou uma tremenda e insidiosa ventania de pensamentos. Primeiro, lembrou-me que aquela movimentação era ultrajante. Não estaria eu querendo oásis em excesso?

Em seguida, começou a relampejar lembranças intrusivas do tipo: não era melhor estar lendo um livro na quietude da minha varanda? Que tal uma boa conversa com o amigo escocês Joãozinho Caminhador: aquele que tudo ouve e nada diz? Não seria um grave pecado, insistia a alma, querer chegar ao oásis para se refastelar no fundo poço das suas endorfinas, comer as suas tâmaras e passas, quando tudo isso havia sido feito ainda ontem, com o requinte de saborear no fim um assado de pernil de cordeiro, devorado à Herodes?

Tais sinais da mais torpe traição promoviam fraqueza no meu corpo. A alma sabotava, o denodado corpo insistia. Continuar era um pecado e prosseguir, um ato de coragem. Eis a triste situação em que me encontrava. Um paradoxo comum entre nós, humanos e vazios de programação, incertos de quem somos e inseguros sobres os nossos limites.

- Veja, berravam valentemente minhas pernas, mais uns minutos e você chega lá. Note como o cajado está firme. Não abandone o navio: isto não é cruzeiro, é Cruzada!

Como um primeiro sintoma de uma possível pane, porém, senti que o bordão começava a pesar. A alma sugeriu parti-lo em dois. Mas, ajudado pelos braços, dei ao bastão mais uma oportunidade, porque o meu cronômetro indicava nove minutos e eu sabia que em dez ou onze eu chegaria lá.

Continuei em movimento e, num ato de desespero, dei tudo o que tinha, embora estivesse ouvindo as gargalhadas da alma que, pairando por cima da situação, projetava imagens dos vexames que meu corpo havia provocado. A pedra que, jogada para o alto, caiu na minha cabeça, valendo-me três dolorosos pontos; o porre de Cuba Libre tomado na festa de aniversário da irmã do Naninho que me fez sentar no meio fio; a vomitada nas costas do engenheiro amigo do meu pai durante uma viajem de Juiz de Fora a Porto Novo do Cunha, depois de comer arroz, feijão, farofa de ovo e bife com fritas; a gota d'água que eu penso ter engolido na manhã da minha primeira comunhão...

Perto do desespero, falei baixinho: tudo que tem começo termina. E num esforço supremo e dando tudo de mim, consegui chegar ao oásis. Corri 5 quilômetros em 35 minutos! A moça, cujos olhos duvidavam da minha capacidade, claudicava na sua máquina e, pelo visto, não iria chegar a nenhum oásis. Eu, pelo contrário, descia orgulhoso da minha esteira desértica para receber, nas costas molhadas de suor, um tapinha do Guilherme, meu personal trainer e xamã.

Era mais uma derrota vitoriosa da alma com o corpo e do corpo com a alma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.