Álbum novo e filme sobre vida e obra

Em mais um exemplo de descaso com o patrimônio cultural brasileiro, os estrangeiros vêm até aqui novamente para nos dar uma aula. O professor da vez é o italiano Massimo D"Orsi, que começou a filmar um documentário sobre vida e obra de Guinga. Cenas do compositor e violonista em seu cotidiano na Itália, além de um concerto feito lá, já foram rodadas. Além disso, o diretor veio uma vez ao Brasil, mas tem novas datas previstas para voltar e captar mais material do músico carioca. Além disso, esta semana, Guinga acertou com os amigos do extraordinário Quinteto Villa-Lobos a gravação de um disco de inéditas. Essa deve ser a primeira vez que o grupo registrará temas de um compositor popular. O álbum deve ser gravado pelo selo italiano Egea, com o qual Guinga tem contrato para mais dois trabalhos. Os anteriores poderiam ser lançados aqui pela Biscoito Fino, mas até agora saíram apenas no exterior. Graffiando Vento (2004) traz o dueto instrumental de Guinga com o fabuloso clarinetista italiano Gabriele Mirabassi, com releituras da obra do violonista brasileiro, com temas como Vô Alfredo e Choro pro Zé. Em Dialetto Carioca (2007), Guinga e Mirabassi ganharam o reforço do clarinete de Paulo Sérgio Santos, do violonista Lula Galvão e de Jorginho do Trompete. Destaque para Sete Estrelas e Orassamba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.