Pedro David/AE
Pedro David/AE

Álbum de sonhos da infância mágica

Pedro David lança Rota Raiz e abre mostra com fotos de sua Minas Gerais

Simonetta Persichetti, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2013 | 02h10

Das narrativas ouvidas na sua infância, das leituras feitas na adolescência o imaginário de Pedro David foi se formando, impregnado de imagens, sons e cores. O tempo passou e esta memória se transformou no livro Rota Raiz (Editora Tempo d'Imagem, 128 págs., R$ 80) que será lançado no sábado junto com a abertura da exposição no Estúdio Madalena.

Como bom mineiro, adorava ouvir as histórias que seu pai lhe contava ao voltar de longas viagens na Região Norte de seu Estado. Mas foram também os relatos de sua mãe, reconhecida pesquisadora de pinturas rupestres, que lhe povoaram a imaginação. Marcas que as pessoas foram deixando por onde passaram. E foi em busca destas lembranças que Pedro David saiu a esmo, como um flaneur, procurando algo especial nos rostos, nas pegadas, nas paisagens, e fotografando, nesta região que lhe é tão cara, o que encontrava e não encontrando o que procurava.

Nem por isso, as suas descobertas deixaram de ser fascinantes: "O que não encontrei foram os lugares descritos nas histórias contadas e lidas durante infância e adolescência. Por outro lado, me deparei com a mistura de um lugar maravilhoso, pulsante, em intensa transformação, povoado por histórias fantásticas", nos relata por e-mail. E não existe decepção em seu trabalho, mas, pelo contrário, um retorno aos ensinamentos do bom e sábio Guimarães Rosa e do seu Riobaldo, que, já idoso, avisa um interlocutor: "O senhor vá, e alguma coisa ainda encontra". E ele foi e transformou a fotografia numa maneira de olhar, entender e se transformar. E é desta forma que tudo passa a ser fotografado, interpretado, como se estas fotografias pudessem construir um diário dos sonhos, como se cada imagem e cada personagem tivesse saído de um mundo fantástico, imaginário. Um cenário onírico, delicado: "Imprimo os meus sonhos para poder dividir com os amigos".

Um trabalho pessoal, ontológico, mas que deixa dúvidas no próprio Pedro David: "Venho utilizando a fotografia para entender minha vida. Ao mesmo tempo, este é um livro de viagens. Então, há uma confusão: estou registrando minhas viagens, ou viajando para fotografar? É uma trama. São as duas coisas. Vou ao norte de Minas para procurar assunto para fotografar, mas escolho a região porque tem a ver com a minha infância e com a minha vontade de fotografar". E assim é para todos os fotógrafos.

As viagens, as grandes expedições, a descoberta de lugares distantes ou o cotidiano ao nosso lado sempre foram temas caros aos artistas em geral. E é fascinante ler os relatos destes viajantes que, de alguma maneira, trazem aos nossos olhos locais muitas vezes nunca vistos. Assim foi montado e editado este material, este livro.

Fotografias que não necessariamente conversam umas com as outras, que podem ser lidas separadamente, mas que criam um ideário deste lugar. Um fonte que parece inesgotável para Pedro David, que encontra na sua Minas Gerais inspiração para seus trabalhos: "São regiões fantásticas que pretendo visitar sempre e encontrar ainda muitos assuntos para fotografar".

QUEM É

PEDRO DAVID - FOTÓGRAFO

Mineiro de Santos Dumont (1977), formado em jornalismo pela Puc-Minas e pós-graduado em artes plásticas, recebeu o Prêmio Conrado Wessel e POY Latam em 2013, o Marc Ferrez em 2012 e o União Latina - Martin Chambi (2010).

ROTA RAIZ

Madalena CEI. Rua Faisão, 75

Vila Madalena, 3473-5412

Exposição, de 2ª a 6ª, 10 h às 18 h

Até 18/6. Sábado (18), às 17 h, lançamento do livro

Tudo o que sabemos sobre:
Pedro Davidfotografia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.