Albano Afonso fotografa ao redor do seu ateliê

Albano Afonso inaugura hoje à noite, na galeria Casa Triângulo, a mostra A Natureza, com trabalhos que têm a fotografia como base. São séries inéditas, mas cujo pensamento em torno delas vem sendo feito entre 2002 e este ano. Como não poderia deixar de ser, a luz é o fator principal. A partir dela, as imagens ganham contornos fantásticos, ganham idéias e conceitos, sempre com percepção e citação à história da arte. Albano está acostumado a ficar centrado em seu ateliê. Apenas ele e uma câmera fotográfica. É lá que realiza os auto-retratos, tão explorados em sua carreira. É de lá que fotografa o céu e suas variações de cores. É de dentro do ateliê que ele cria uma constelação somente usando os estouros do flash da câmera. E é do ateliê que o artista resolveu sair para perceber o entorno, fotografar paisagens externas, uma faceta nova em sua obra. "Eu estava num universo muito fechado", diz o artista. Interessante ver no mezanino da Casa Triângulo a série Florestas, com imagens tiradas de baixo para cima de árvores de uma pequena praça que fica a quatro quarteirões de seu ateliê. Sobre uma delas ele conta: "As pessoas me perguntam se é uma floresta ou um pântano", conta o artista. Curiosamente, todas as fotos foram feitas à noite, com as luzes dos postes da pequena praça. Por meio do uso de mercúrio, durante o processo de revelação das imagens, algumas delas ficaram totalmente claras, como se tivessem sido feitas à tarde. Em um dos quadros, o clima parece ser mais tropical, no outro, mais soturno. Tudo através da luz, da exposição da luz. "As coisas nunca são o que parecem", como diz Albano. e, por meio desse pensamento todas as suas obras foram concebidas. Albano Afonso - Casa Triângulo. Rua Paes de Araújo, 77, Itaim-Bibi, 3167-5621. 11h/19h (fecha dom. e seg.). Até 15/6. Abertura hoje, às 20 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.