Alabarse retoma inconformismo de Thomas Bernhard

Depois de encenar Almoço na Casa do Sr. Ludwig, em 2002, o diretor Luciano Alabarse sentiu a necessidade de se aprofundar na obra do escritor austríaco Thomas Bernhard. "Trata-se de um autor muito denso, que oferece inúmeras possibilidades", conta Alabarse que, por isso, decidiu investir em uma trilogia: A Força do Hábito estréia hoje, para o público, no Espaço Promon, e Heldenplatz é um projeto para o próximo ano.Austríaco, Bernhard (1931- 1989) odiava seu país. Acreditava que seus conterrâneos eram nazistas (tema, aliás, de Heldenplatz) e, por isso, foi publicamente condenado pelo presidente Kurt Waldheim, que o acusou de difamar e trair o povo austríaco. Seu inconformismo inspirou uma obra transbordante de palavras, mas não prolixa - para ele, cada termo deve provocar uma contundência.Foi justamente essa aposta na importância da palavra que inspirou a direção de Alabarse. A Força do Hábito se passa em um espaço infecto, onde Garibaldi, diretor de um circo de segunda categoria, tenta, sem sucesso, fazer com que os artistas de seu elenco ensaiem um número musical, o quinteto A Truta, de Schubert. Subjugados pelas exigências sufocantes, os artistas, porém, não correspondem ao sufocante totalitarismo de Garibaldi.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2004 | 12h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.