Ainda há um filão a ser explorado

A despeito das dificuldades que apresenta para ser traduzido, o Nobel Kenzaburo Oe é um dos autores mais disputados pelas editoras brasileiras. Só a Companhia das Letras lançou (em junho), Jovens de Um Novo Tempo, Despertai! (Coleção Nobel) e prepara para novembro o lançamento de 14 Contos. A Record aposta num livro difícil, O Substituto, em que Oe narra disfarçadamente o suicídio de seu cunhado cineasta Juzo Itami (Tampopo), em 1997, que o escritor transforma em Goro Hanawa, diretor de cinema que lega ao cunhado escritor gravações obsessivamente ouvidas por ele.

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h09

Todos esses esforços contribuem para a difusão da literatura japonesa, mas, segundo a tradutora e professora Neide Hisae Nagae, as principais obras clássicas de poesia dos séculos 9.º e 10.º, por exemplo, nunca receberam a devida atenção das editoras brasileiras, assim como os diários femininos, a literatura dos monges e mesmo os contos de contemporâneos como Mushanokoji Saneatsu (1885-1976), aristocrata marcado pela influência de Tolstoi, que só foi publicado numa coletânea dos anos 1960.

A lista dos inéditos no Brasil é longa. A professora cita, entre outros nomes, os de Ogai Mori (1862-1922) e Toson Shimazaki (1872-1943), que causou escândalo com o autobiográfico Shinsei (Vida Nova, 1919), ao narrar o caso incestuoso entre um tio e sua sobrinha. Entre os imprescindíveis destaca-se o nome de Kyoka Izumi (1873-1939), muitas vezes comparado a Tanizaki e Nagai Kafu (1879-1959), outro que provocou conservadores japoneses com personagens marginais - prostitutas, em especial - que tanto marcaram o cosmopolita autor de Crônica da Estação das Chuvas (publicado pela Estação Liberdade). / A.G.F.

ENCONTROS

Entre hoje e quinta-feira, São Paulo abrigará dois eventos sobre cultura japonesa. Lendo o Japão: A Difusão da literatura japonesa no Brasil ocorre hoje, das 15 h às 17h30, na biblioteca Mário de Andrade (R.da Consolação, 94, centro, tel. 3256-5270; grátis), Estudos japoneses na América Latina está marcado para os dias 27, 28 e 29, das 9 h às 21 h, no Memorial da América Latina (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, tel. 3823.4600;

também gratuito).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.