Aguilar despede-se da Casa das Rosas com mostra

Como diz o título da exposição quea Casa das Rosas abre amanhã para o público, essa é uma mostrade celebração. Ópera - Aberta, Celebração reúne obras deaproximadamente 200 artistas, conta com mostra de vídeos eapresentações de dança e performances para comemorar os seteanos em que a instituição esteve sob direção do artista plásticoJosé Roberto Aguilar. "Se fosse fazer um balanço da minhagestão, seria pretensioso, cafajeste. Mas posso dizer quefizemos exposições milagrosas, com poucos recursos", dizAguilar.Ópera - Aberta é a exposição que idealizou para sedespedir do cargo e, por isso, a premissa foi mostrar trabalhosde artistas que já participaram das atividades do museu, mas,como reforça Aguilar, cada um pôde escolher e mandar o quequisesse mostrar. "A Casa das Rosas tem tradição de serdirigida por artistas (anteriormente fora dirigida por ClaudioTozzi) e por isso as atividades sempre abrangeram um leque muitogrande de tendências e linguagens." Para tanto, essa exposiçãonão tem um tema delimitado, mas sua montagem tenta promoverdiálogos entre os artistas participantes. "Não poderia fazerdiferente: não sou curador, sou artista", afirma Aguilar, quedaqui por diante vai se dedicar às suas exposições e à BandaPerformática que criou na década de 80. Mas pode-se dizer queesse diálogo proposto em sua gestão como diretor teve apretensão de se estender para outras áreas que não a artísticacomo, por exemplo, quando foi realizada a mostra Arco dasRosas - O Marchand como Curador em que o cerne era refletirsobre o papel de galeristas de arte.Desde 1995, quando assumiu a direção da antiga mansão naAvenida Paulista tombada pelo Patrimônio Histórico para ser umdos espaços culturais da Secretaria de Estado da Cultura,Aguilar destaca as programações de dança, canto e teatro queocorreram às segundas-feiras. Também a mostra em homenagem aofísico e crítico de arte Mário Schenberg e como grande mérito,Aguilar cita a introdução da webart e o acervo virtual dainstituição. "Temos registros de todas as exposições realizadasna Casa das Rosas no site (www.casadasrosas.sp.gov.br) e por causa disso recebemos elogios de instituições internacionais", conta.Ópera Aberta - As obras reunidas nas oito salas da Casadas Rosas pertencem a artistas de gerações diferentes, queabordam e trabalham com técnicas diversas - pinturas, esculturas, vídeos, objetos, webart, fotografia. Seria impossível citar osmais de 200 nomes, mas há trabalhos de Amelia Toledo, do músicoArnaldo Antunes, do fotógrafo José Fujocka e ainda Grupo Bijari,Carlos Fajardo, Evandro Carlos Jardim, Maria Tereza Louro,Carlito Carvalhosa, Leda Catunda, Tunga, Walter Silveira, SérgioBicudo, Lygia Pape, Nelson Leirner, Shirley Paes Leme, NunoRamos, e do novato Thiago Bortolozzo, entre tantos outros.A grande exposição ainda conta com mostra de vídeocoordenada livremente por Luiz Duva que tem como proposta"cuidar para que as imagens trafeguem, dialoguem umas com asoutras, com as outras obras e com a própria casa", escreveDuva. Outra atração será a programação de dança e performancesque ocorrerá todos os domingos até o término de Ópera - Aberta, Celebração, sempre a partir das 16h30. "A Casa é habitadapor artistas que revelam seus pensamentos nos chãos de madeira,convidativos para a dança, vitrais e jardins co-interagindoesculturas humanas."Opéra - Aberta, Celebração. De terça adomingo, das 13 às 20 horas. Casa das Rosas. Avenida Paulista,37, em São Paulo, tel. (11) 251-5271. Até 30/11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.