"Ágora Livre" recebe mais duas peças

Mais duas peças escritas para o Ágora Livre Dramaturgia, projeto vencedor na categoria especial da 14.ª edição paulista do Prêmio Shell de teatro, em março de 2002, ocupam o palco do Teatro Ágora durante este mês: Sobre a Arte de Cortar Bifes, de Hugo Possolo e direção de Jairo Mattos, e Ato Sem História, de Luís Alberto de Abreu e direção de Roberto Lage.A temporada de espetáculos do Ágora começou em abril e está prevista para durar até julho. Onze textos de dramaturgos paulistanos foram selecionados. No mês passado foram encenados dois textos, Cor de Chá, de Noemi Marinho, e Pai, de Izaías Almada.Em A Arte de Cortar Bifes, Possolo cria um espetáculo metafórico. "No teatro costumamos chamar um texto muito longo de bife. "O autor precisa aparar as gorduras, o que faz com que ele acabe sendo também um pouco açougueiro."Em cena, os três açougueiros que protagonizam a peça (Gilmar Guido, Ricardo Rathsam e o diretor Jairo Mattos) representam três posturas diferentes diante da vida e da própria profissão. "Vamos refletir sobre o sentido de cortar bifes para cada um deles, mas esse é um questionamento que se encaixaria em qualquer outra atividade humana", afirma Mattos. "A graça e a inteligência do texto estão em tratar um assunto poético de forma rude."Em Ato Sem História, Luis Alberto de Abreu cria uma história linear, com toques de absurdo e inspiração no teatro de estilo No. "São personagens contemporâneos, que perdem a noção de valor e cometem atrocidades sem qualquer motivo aparente", diz Abreu. "A idéia é fazer com que o público reflita se existe ou não justificativa para a violência na sociedade atual."Sobre a Arte de Cortar Bifes e Ato Sem História. De hoje a 26 de maio. Teatro Ágora (Rua Rui Barbosa, 672, tel.: 3284-0290). De quinta a sábado, às 22h30. Domingo, às 20h30. Ingressos: R$ 10 cada, R$ 15 para assistir aos dois espetáculos no mesmo dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.