Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Agora, falando sério

Há certos dias, mais do que outros, em que sinto falta do Paulo Francis. Na sua ausência, as paredes tomam o lugar dos ouvidos do Francis. Se ele estivesse duas mesas adiante, na redação onde trabalhamos, a semana que passou teria sido coalhada de interjeições. Sobre quem fez e não fez parte da delegação brasileira na Feira de Frankfurt. Sobre a ideia ridícula de censurar biografias no Brasil.

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2013 | 02h10

Caetano Veloso é para mim o maior poeta da música popular contemporânea, embora admita que não conheço a música popular de Mianmar ou do Casaquistão. Caetano e Francis aparentemente se detestavam. Por conta disso, teríamos tido mais uma discussão, destas que não terminam em azedume. E eu citaria versos de Caetano que considero superiores aos de Bob Dylan, o menestrel que o New York Times acaba de sugerir como potencial merecedor de um Nobel de Literatura.

"Estou tecnicamente morto," dizia o Francis, quando destacávamos qualquer filme ou livro que considerava filisteu e irrelevante.

"Acabou o asfalto," dizia ele, se alguém que considerava precioso, especialmente no jornalismo cultural, era defenestrado pelos arautos de sabe-se lá que reengenharia.

As duas expressões acima caem bem sobre duas controvérsias recentes e uma delas me fez lembrar do Caetano. Ambas têm em comum o autoritarismo e um português pobre de dar dó.

Tivemos uma ONG em luta para legalizar um ataque contra um gênero literário e contra a liberdade de expressão, mas exercendo a sua liberdade com xingamentos on-line. A ONG diz representar, não um, mas dois gigantes literários da música contemporânea, Caetano e Chico. Ambos foram censurados, presos e exilados pela ditadura militar. Diante da controvérsia, fizeram silêncio e deixaram que sua porta-voz os cobrisse de ridículo.

Tivemos um escritor best-seller misturando alhos com bugalhos - sucesso comercial com qualidade literária - e nos confundindo sobre a natureza real de seu protesto para não ir a Frankfurt. O que me fez lembrar de uma dúvida: por que Paulo Coelho vende mas não tem prestígio na língua que mais produz best-sellers insípidos? (Bill Clinton e Oprah Winfrey não contam como juízes de gosto literário). Fui pesquisar.

Manuscrito Encontrado em Accra: "Chamar isto de romance é esticar a definição da palavra além do reconhecível." (Boston Globe). "Vários autores se inserem na própria ficção mas o que faz a versão de Coelho tão insuportável é que evoluiu para administração de branding." (New Republic)O Zahir: "Há mais profundidade em Obsession de Calvin Klein do que em Zahir". (The Guardian).

O New York Times nem publica resenhas dos livros recentes. Numa entrevista a um jornal de língua inglesa, o autor acusou os críticos de desprezo por seus leitores. Além de deturpar a noção de critica literária, Coelho ignorou o próprio argumento quando insultou os leitores de James Joyce. Seu Ulysses é repetidamente eleito o melhor romance do século 20, ainda que possa ser ignorado pelos 8 milhões de seguidores de Coelho no Twitter. No ano passado, Coelho disse que Ulysses não valia mais do que um tweet e que ele, sim, é o verdadeiro romancista moderno por fazer o difícil parecer fácil. O autor é astuto demais para não ter calculado a reação.

Vou especular sobre o motivo por trás da declaração que inspirou um editor e jornalista cultural nova-iorquino a bradar em manchete: "A Assombrosa Estupidez de Paulo Coelho". Ignorado pela mídia que, não tenho dúvida, queria ter conquistado, teria optado pelo falem mal mas, pelo amor de deus, falem de mim. E teve sucesso. Foi intensamente citado em inglês por seu comentário embaraçoso sobre James Joyce que, junto com o insincero argumento para não aparecer na Feira de Frankfurt, revela uma visão totalitária de mundo: somos nós que devemos encolher para caber na milionária bolha de platitudes narcisistas do coelhistão.

Tudo o que sabemos sobre:
Lúcia Guimarães

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.