Divulgação
Divulgação

Agitadores são bem-vindos em Ti-Ti-Ti

Novela das 7 já dobrou número de personagens

Patrícia Villalba, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2011 | 00h00

Em novela, como se sabe, não há limite para a criatividade dos autores. Mas não se pode dizer o mesmo sobre os orçamentos das tramas que, na Globo, costumam ser muito bem planejados para os oito meses que uma novela costuma ficar no ar - até mesmo as roupas a serem usadas pelos figurantes entram na conta. E nestes tempos em que as histórias andam sendo contadas com cerca de 70 personagens, Ti-Ti-Ti, grande sucesso no horário das 7, chama a atenção por, depois de seis meses no ar, já ter dobrado seu time de atores - são mais de 130.

Mas nada é por acaso na novela de Maria Adelaide Amaral, remake da Ti-Ti-Ti escrita por Cassiano Gabus Mendes em 1985 e que teve histórias misturadas às de Plumas & Paetês, também dele. As participações especiais, em geral homenagens da autora a Cassiano, dão grande charme à novela, recurso que movimenta a trama e faz um agrado aos noveleiros mais saudosos.

A questão é que tem gente que entra e não sai mais, como Luís Gustavo, que faria uma participação como o detetive Mário Fofoca de Elas por Elas (1982), tornou-se fixo e acaba de reviver Victor Valentim, papel que foi dele na Ti-Ti-Ti original e que agora é de Murilo Benício. "Sobre as participações, nada é pensado: simplesmente elas acontecem. Quando a trama pediu um detetive, nos ocorreu imediatamente o Mário Fofoca", conta a autora ao Estado. "O Luís Gustavo topou e o sucesso dele acabou ensejando o retorno do personagem. Colocá-lo no atelier do Victor Valentim foi uma maneira de homenagear não apenas o Cassiano, mas o próprio ator, dando-lhe a oportunidade de reviver um personagem que criou magistralmente."

Daqui para março, quando termina a novela, Maria Adelaide ainda pretende rechear ainda mais a trama de personagens. A "divina" Magda (Vera Zimmermann), de Meu Bem, Meu Mal (1990), é outra que entrou e fica até o final. Há ainda casos de personagens totalmente novos, como a assessora de imprensa Isabel (Débora Falabella) que entra nos próximos capítulos para sacudir o romance de Marcela (Ísis Valverde) e Renato (Guilherme Winter).

Num grand finale, a cereja do bolo será a volta de Rafaela Alvaray, personagem inesquecível de Marília Pêra em Brega & Chique (1987). "No último capítulo, ela será a presidente do júri que selecionará o estilista que vai participar da próxima São Paulo Fashion Week. No páreo, estarão Jacques Leclair, Victor Valentim e Jaqueline", adianta a autora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.