Agenda cultural marca centenário de JK

A comissão organizadora das comemorações do Primeiro Centenário de Nascimento de Juscelino Kubitschek, instalada em março pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, marcou a abertura das celebrações do aniversário do presidente na semana de 11 a 15 de setembro. Se vivo, Juscelino Kubitschek completaria 100 anos no dia 12 de setembro de 2002. Livros, debates, conferências, documentários e discos compõem a agenda, que ainda não está fechada.O ministro da Cultura, Francisco Weffort, que preside a comissão do Primeiro Centenário, disse que a idéia é abrir a semana com um evento no Rio - o Museu da República pode ser o local escolhido -, depois realizar uma programação em Brasília e fechar as comemorações em Diamantina, cidade mineira onde Kubitschek nasceu. Weffort explicou que o dinheiro para este ano de comemorações será proveniente de recursos fornecidos pelo Ministério da Cultura e captados via Lei Rouanet. Ele disse que ainda não foi estipulado o valor que o Ministério vai destinar ao projeto.A comissão formada pelo presidente Fernando Henrique é constituída por oito pessoas, entre elas três ministros - além de Weffort, o das Relações Exteriores, Celso Lafer, e o das Comunicações, Pimenta da Veiga - e pela filha e pela neta de Kubitschek, Maristela Kubitschek Lopes e Anna Christina Kubitschek Pereira. Já o conselho, cuja cerimônia de posse foi na segunda-feira à tarde, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio, é composto por cem pessoas. São das mais variadas origens: intelectuais, artistas, políticos ou pessoas ligadas à vida do presidente.Weffort explicou que a comissão formada pelo Ministério da Cultura tem caráter nacional, mas que existem outras regionais. "Há grupos formados representando Brasília, Diamantina, Belo Horizonte, o Estado de Minas Gerais e o Estado de Goiás. Várias dessas comissões poderão tomar iniciativas independente das nossas, mas gostaríamos de ter uma coordenação dessas ações para não batermos cabeça", comentou.Para o ministro da Cultura, Juscelino Kubitschek merece todas as homenagens, pois foi o presidente que modernizou o Brasil. "Ele representa uma época em que o Brasil estava dando uma virada, abandonando a face agrária e se tornando um país verdadeiramente industrial e moderno."De acordo com o ministro, haverá uma referência ao famoso slogan da campanha do presidente, "50 anos em 5", no selo do centenário, assinado por Elifas Andreato, no qual está escrito "Cem anos em um". O compositor e cantor Juca Chaves, que esteve presente à cerimônia de posse do conselho, sugeriu que fosse realizado um concurso de redações nas escolas. "Os alunos vencedores poderiam ganhar como prêmio uma viagem para conhecer Brasília, cidade idealizada pelo presidente", comentou. "Temos de aproveitar a data para fazer uma campanha educacional", pensa.O historiador Hélio Jaguaribe, que também faz parte do conselho, ressaltou a importância das homenagens ao presidente. "Celebrar o centenário de JK no início do século 21 parece apropriado, pois ele era um homem que tinha confiança no País. E o Brasil precisa retomar a sua confiança."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.