Davi de Almeida/Divulgação
Davi de Almeida/Divulgação

Agamenon, o ancião picareta

Personagem dos Cassetas ganha filme e esculhamba celebridades

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2011 | 00h00

Em 1912, na condição de passageiro penetra da terceira classe, ele ajudou a afundar o Titanic. Sobreviveu, e, nos anos 40, dividiu um charuto suspeito com Winston Churchill. Em pleno bombardeio de Berlim, passou a perna em Hitler e transou com Eva Braun no bunker do Führer. Voou no Enola Gay sobre Hiroshima. Presenciou o suicídio de Getúlio e o assassinato de Kennedy. Entrevistou Gandhi, Einstein, Freud, Bin Laden.

Agamenon Mendes Pedreira é ou não é um personagem e tanto? Criação de Marcelo Madureira e Hubert Aranha, do Casseta e Planeta, ele é retratado em Agamenon - O Filme (Globo Filmes/Tambellini Filmes/Downtown), que está sendo rodado sob direção de Victor Lopes desde o fim de fevereiro e deve estrear no próximo verão (entre o fim de 2011 e o início de 2012).

Misterioso Forrest Gump do jornalismo, com um quê do Zelig de Woody Allen, Agamenon teria nascido no século 19 e está vivo até hoje. É repórter do jornal carioca O Globo, e mora no Dodge Dart ano 1973 que mantém estacionado em frente ao prédio.

Publicadas há 20 anos, suas colunas dominicais falam de assuntos do momento e esculhambam gente que é notícia - a última falava, entre outros, de Bobo (Bono) Vox, o ex-presidente Luísque (Luis) Inácio Lula da Silva, o maestro da OSB Roberto Minchupe (Minczuk). Tem leitor desavisado que já acreditou que se tratava de um jornalista de fato.

"O filme está quase pronto, rodamos 90%. Acabou o dinheiro, a paciência...", brinca Hubert, que vive Agamenon na maturidade. Na juventude, o ator é Marcelo Adnet, tratado pelo humorista como "o novo Oscarito".

Isaura, a esposa de conduta duvidosa sempre presente em suas narrativas e que Agamenon conheceu numa suruba, é interpretada por Luana Piovani. Madureira encarna o infame "psicoproctologista" Jacintho Leite Aquino Rêgo, "o único com quem Agamenon se abre".

Nomes como Nelson Motta, Caetano Veloso, Luis Fernando Verissimo e Ruy Castro dão depoimentos confirmando ou retificando suas loucas histórias. Agamenon é um falso documentário, um terreno conhecido do diretor, que vem de três documentários. Foi Victor Lopes, que ri com os cassetas desde seus fanzines, bem antes de eles chegarem à TV Globo, quem convenceu Hubert e Madureira de que o "ancião picareta" tinha que sair do papel.

"Ele sempre me pareceu cinematográfico. Estamos fazendo cinema mentira puro", conta o diretor, apropriando-se do velho lema do grupo, "jornalismo mentira e humorismo verdade". Ele colaborou com o roteiro, escrito nos últimos quatro anos e que se apoia nos livros Agamenon Mendes Pedreira, o Homem e o Minto e Ajuda-te a Mim Mesmo, publicados pela dupla.

Com os outros quatro cassetas - que seguem de recesso na Globo até o meio do ano, quando deverão voltar com programa novo -, eles lançaram A Taça do Mundo É Nossa! (2003) e Seus Problemas Acabaram! (2006), assistidos por cerca de 700 mil espectadores cada um.

Ambos tiveram Maria Paula no papel da gostosona. Luana Piovani, que já a substituiu na TV durante licença-maternidade, pintou o cabelo com o tom castanho escuro de Isaura e assumiu o "posto" feliz. "Acho muito divertido o jeito que as colunas fazem humor com as idiotices que acontecem, na linha "seria trágico se não fosse cômico"."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.