Afrescos eróticos são restaurados em Pompéia

Centenas de turistas enfrentaram filas na quinta-feira nas ruínas de Pompéia, na Itália, para ver, depois de restaurados, os afrescos eróticos do que era um dos bordéis da cidade romana. O bordel de 2 mil anos foi descoberto durante escavações em 1862 e passou por um cuidadoso processo de reparos que custou aproximadamente US$ 250 mil (R$ 536 mil) e demorou um ano.O Lupanare - cuja denominação vem do latim lupa (prostituta) -, é uma das maiores atrações de Pompéia, que foi devastada por uma violenta erupção do vulcão Vesúvio no ano de 79.A força da explosão enterrou Pompéia em lama e cinza vulcânica, preservando a cidade por mais de 1,5 mil anos e uma série de indícios valiosos sobre como os habitantes da cidade viviam.Especialidades Em Pompéia, a prostituição não era proibida, sendo normalmente feita por escravos trazidos de outros lugares, como a Grécia.O bordel tinha dez quartos - cinco em cada andar - sendo que os superiores eram destinados a clientes mais ricos. Os nomes de algumas das prostitutas e de seus clientes ainda estão visíveis, rabiscados nas paredes dos quartos. Acredita-se que os afrescos, pintados acima das portas do bordel, indicavam qual o tipo de especialidade da pessoa que trabalhava naquele quarto.Segundo arqueólogos, o preço cobrado pelos profissionais, homens e mulheres, era o equivalente ao valor de oito taças de vinho tinto.

Agencia Estado,

27 de outubro de 2006 | 14h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.