Afinal, são todos uns cachorros!

Ashton Kutcher pode ser um colírio para os olhos, mas, sejamos honestos, não é páreo para Charlie Sheen. Ao menos na tela da TV. Charlie Harper morreu e Walden Schmidt ainda precisa comer muito arroz e feijão para chegar aos pés da canalhice de seu antecessor. Por um breve período de tempo, Hank Moody, o personagem de David Duchovny que as mulheres amam odiar - e, secretamente, odeiam amar - em Californication, reinou sozinho no maravilhoso universo dos canastrões inveterados. No entanto, Duchovny e Sheen arrumaram mais um colega para o clube e o novo membro, teoricamente, anda em quatro patas. Pois, quem diria que um cachorro poderia ser tão canalha a ponto de merecer vaga neste posto? Parece surreal chamar um cão de canalha? Que nada, absurda é a série Wilfred, que o FX - um canal que nasceu para os machos - estreou recentemente. Quando disseram que havia uma nova atração protagonizada pelo Frodo Bolseiro (Elijah Wood) e por um ator australiano de stand up comedy fantasiado de cachorro pensei: "Ou esta série é incrível ou é a coisa mais cafona do mundo." E, qual não foi minha surpresa ao constatar que, sim, Wilfred é absurdamente divertida. E o cão que dá nome à série, interpretado por Jason Gann, é da mesma família de Charlie Harper e Hank Moody.

O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2011 | 03h07

Na série, Frodo - quer dizer, Ryan - é um bobão que não consegue nem se matar. E Wilfred, o bicho de estimação da vizinha loira, aparece na vida dele para transformá-lo num cara mais bacana (e sacana). Wilfred, entre outras canalhices, aproveita sua condição de cão fofo e peludo para abusar da boa vontade de mocinhas indefesas que o afagam. Ele também aproveita sua condição animal para fumar maconha, beber cerveja e testar a lealdade de seu novo amigo... Na verdade, mais do que ser da mesma família, Moody, Harper e Wilfred são da mesma espécie. Afinal, são todos cachorros!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.