Afinação e dissonância entre Liv e Bergman

Na primeira sessão de Liv & Ingmar - Uma História de Amor, de Dheeraj Akolkar, na Cinemateca, o público aplaudiu emocionado no final. Afinal, acabara de ver não apenas uma love story bastante singular, como sugere o subtítulo, mas relato da intensa colaboração artística entre o mestre sueco Ingmar Bergman e sua atriz favorita, Liv Ullmann.

LUIZ ZANIN ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2012 | 03h10

De fato, como não se emocionar ao ver a agora veterana atriz norueguesa falar de maneira tão sincera do seu relacionamento artístico e amoroso com Bergman? O trabalho conjunto incluiu filmes como Vergonha, Persona, Gritos e Sussurros e Cenas de um Casamento, entre outros. Oito, no total, contando o último filme de Bergman, Saraband, espécie de continuação de Cenas de um Casamento, com o reencontro dos personagens de Liv e Erland Josephson, já na velhice.

Liv conta como era trabalhar com Bergman; o coloca nos cornos da Lua como diretor, mas não poupa detalhes sobre as dificuldades do casamento. Muito mais jovem do que ele, com 20 anos a menos, Liv tinha dificuldade em adaptar-se à necessidade de solidão exigida pelo mestre, em seu retiro na Ilha de Farö.

Para criar, Bergman gostava de se trancar no estúdio, livre da companhia humana, ouvindo música clássica. Chato para uma garota de 20 e poucos anos. Era duro também como diretor. Liv, rindo das filmagens de Vergonha, feitas no inverno sueco, mostra imagens suas e de Max Von Sydow, num barco, tiritando de frio com pouco agasalho, enquanto Bergman dirige a cena, confortavelmente abrigado sob três grossos capotes de lã.

O casal teve uma filha, e separou-se. Mas assim como há casamentos que não dão certo, algumas separações nunca se completam. De um jeito ou de outro, Liv e Ingmar permaneceram juntos até a morte do cineasta, em 2007. E, dele, Liv recebeu o maior elogio de sua vida. Um dia, queixando-se ao ex-marido e eterno amigo de que sempre era obrigada a falar dele quando concedia entrevistas, ouviu do maestro: "Não se preocupe com isso: você é o meu Stradivarius".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.