Afegão de O Livreiro de Cabul leva autora aos tribunais.

Shah Mohammed Rais, o homem que inspirou o livro de Asne Seierstad que é um sucesso mundial, processa a jornalista norueguesa por violação da vida privada

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 03h43

Shah Mohammed Rais, o homem queinspirou O Livreiro de Cabul, um retrato literário da sociedadeafegã que obteve sucesso mundial, levará aos tribunais a autora daobra, a jornalista norueguesa Asne Seierstad, após o fracasso, nesta quarta, 6, da tentativa de acordo no Tribunal de Conciliação de Oslo.Rais processará Seierstad por violação da vida privada, depoisque esta e a editora Cappelen se negaram a fazer um pedido dedesculpas e a pagar a ele uma compensação econômica pelos problemasfamiliares que, segundo ele, o livro teria causado. Seierstad e a editora ofereceram doar 500 mil coroas norueguesas(quase € 62 mil) a uma nova fundação dedicada a promover aliteratura afegã, com uma direção escolhida pela jornalista e peloLivreiro. "A oferta não inclui nenhum pedido de desculpas, nenhum dinheiropara a família e determina que a própria Asne Seierstad deveráencontrar os meios para a fundação. É muito inocente e irreal",disse o advogado de Rais, Per Danielsen, à agência norueguesa "NTB". A escritora afirmou que a proposta é um reconhecimento dotrabalho do livreiro em prol da cultura e da literatura afegãs emostra que tem "um grande respeito por ele" e admira seu trabalho.Seierstad, ex-correspondente em Moscou, China, Kosovo, Iraque eAfeganistão, passou alguns meses na casa de Rais para elaborar ahistória de um livreiro de Cabul chamado Sultan Kan, retratado comoum defensor da liberdade de expressão, enquanto age com sua mulherseguindo as regras do fundamentalismo islâmico. O livro foi publicado no segundo semestre de 2002 e se tornou emum best-seller, sendo traduzido para vários idiomas. O livreiro afegão considera que a obra trouxe graves problemas,já que uma de suas mulheres fugiu para a Noruega, onde pediu asilo,junto com quatro de seus filhos, e outra foi para o Canadá com outrofilho. No ano passado, Rais publicou sua versão da história, intituladaEu Sou o Livreiro de Cabul, publicado recentemente no Brasil pela editora Bertrand Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.