Acusado de perseguir Uma Thurman é só 'estranho', diz advogado

Um homem acusado de ter perseguido aatriz Uma Thurman por dois anos pode ter sido estranho,assustador e obsessivo, mas não infringiu a lei, disse seuadvogado a um júri em Nova York na segunda-feira. Jack Jordan, 37 anos, é acusado de enviar emails assediandoo pai e irmão de Uma Thurman, de passar horas parado nosdegraus do prédio em que a atriz vive, em Manhattan, e devisitar o trailer dela num set de filmagens. Ele está sendo acusado dos delitos de perseguição eassédio. Se for condenado, pode ser sentenciado a até um ano deprisão. A expectativa era que Uma Thurman fosse depor no tribunalainda na segunda-feira ou na terça, disseram fontes dotribunal. "Ele a amava e possivelmente ainda a ame. Nunca quisirritar, ameaçar ou assustá-la", disse o advogado de Jordan,George Vomvolakis. "Estranho e assustador? Sim. Obcecado? Sim.Criminoso? Não." Mas a promotora assistente Colleen Walsh disse que Jordanfez "chantagem emocional" com Thurman e sua família, dizendo aoirmão dela que se mataria se a atriz não falasse com ele dentrode 24 a 48 horas. Jordan certa vez entregou à assistente pessoal da atriz umpacote contendo uma carta, sua carteira de motorista, um cartãopostal da Estátua da Liberdade e outros objetos. (Por Edith Honan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.