Acusação de plágio é ridícula, diz editor de O Código Da Vinci

Patrick Janson-Smith, editor tanto do livro O Santo Graal e a Linhagem Sagrada quanto do best-seller de Dan Brown, O Código Da Vinci, declarou que a acusação de plágio contra Dan Brown é ridícula.Michael Baigent e Richard Leigh, dois dos três autores de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada afirmam que Dan Brown copiou em O Código Da Vinci a tese central da obra elaborada em 1982 e processam a editora - também de seu livro - Random House.Nas duas obras, é apresentada a hipótese de que Jesus se casou com Maria Madalena e teve com ela um filho. Segundo a tese, a descendência da criança continua até hoje e está protegida por uma ordem secreta conhecida como Priorado de Sião.Em seu depoimento ao Tribunal Superior de Justiça do Reino Unido, o agente literário Patrick disse que soube da decisão dos historiadores em 2004 e pensou que eles "não teriam argumentos para manter" suas acusações. Explicou que, quando começou a trabalhar em O Código Da Vinci, reconheceu "semelhanças" entre as duas obras e a "piada" de Dan Brown de nomear um de seus personagens como Leigh Teabing - anagrama de Leigh e Baigent."Pensei que, em algum momento, Dan tinha entrado em contato com os autores ou que era uma simples demonstração de respeito para com eles", declarou. "Nunca pensei que houvesse alguma questão de plágio", afirma Janson-Smith. Segundo ele, O Santo Graal e a Linhagem Sagrada pretende ser uma obra de não ficção, enquanto O Código Da Vinci é um romance de suspense.O livro de Brown foi traduzido para 44 idiomas, chegará aos cinemas este ano e já vendeu mais de quarenta milhões de exemplares.Segundo o editor, Michael Baigent e Richard Leigh decidiram entrar na justiça por causa, especialmente, da adaptação para o cinema do livro. "Eles estavam muito preocupados porque um filme de O Código Da Vinci poderia colocar em perigo as possibilidades de realizar um filme de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, declarou Patrick.A previsão é de que o julgamento termine na próxima segunda-feira. Entretanto, o juiz pode demorar semanas antes de emitir o veredicto, afirmam fontes judiciais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.