Acervo de Roberto Campos vai para Curitiba

A coleção de 7,5 mil livros do economistaRoberto Campos deixa o Rio para incorporar-se à biblioteca doCentro Universitário Positivo, de Curitiba, a ser inaugurada emagosto. O acervo será levado para uma sala que terá o nome deCampos, onde ficarão expostos também objetos pessoais cedidospela família. "Essa coleção vai ficar à disposição de toda acomunidade acadêmica brasileira e esperamos que desperte ointeresse no estudo de seu pensamento", adianta o reitor doPositivo, Oriovisto Guimarães. "Nossa intenção foi homenageá-loe preservar sua memória."Campos era um leitor voraz e acumulou livros que usavano trabalho ou ganhava de outras figuras como John Kennedy,Henry Kissinger e Margareth Tatcher, com quem conviveu em sualonga carreira de embaixador e ministro. Após sua morte, emoutubro, a família decidiu desfazer-se da coleção semdemembrá-la. Aventou-se a possibilidade de o Banco Nacional deDesenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do qual Campos erafundador, cuidar dela em regime de comodato, mas as negociaçõesnão foram adiante. Na época, foi avaliada em R$ 200 mil, peloeditor José Mário Pereira, amigo da família, mas nem o Positivo,nem os descendentes de Campos falam das cifras da negociação,feita sem apoio de leis de incentivo à educação ou à cultura."Separadamente, os livros não têm valor histórico, poisCampos só adquiria o que interessava a seu trabalho. Mesmo osautógrafos de certos volumes não têm tanto valor porque não sãoassinaturas raras", explicou Pereira, na época. "Mas elesempre escreveu a lápis nas margens das páginas e começava seusartigos e livros com essas anotações. Aí está o valor dessacoleção porque, com ela, se poderá traçar sua trajetóriaintelectual."O Centro Universitário Positivo é um grupo privado queatua em todos os níveis de educação e criou a própriauniversidade, em 1998. Atualmente, tem 24 cursos de graduação,um número variável de pós-graduações e cerca de 10 mil alunos."Como temos pouco tempo de atuação, ainda não nos centramos emuma só área de conhecimento, mas esperamos que a própriacomunidade acadêmica escolha seus caminho", finalizou o reitorOriovisto Guimarães.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.