Acervo de poeta agora sob os cuidados do IMS

Em vida, Carlos Drummond de Andrade doou parte de seu acervo - o que considerava de maior interesse para pesquisas, como cartas e fotos - para a Casa Ruy Barbosa, no Rio. Outros fragmentos de sua memória estão sob os cuidados do Instituto de Estudos Brasileiros e do Arquivo Público Mineiro. O restante dos documentos reunidos pelo poeta - sua biblioteca pessoal, cartas, desenhos e fotos - ocupa até hoje três paredes de dois quartos do apartamento em que morou na capital carioca, na Rua Conselheiro Lafaiete, em Copacabana.

Raquel Cozer, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2010 | 00h00

Esse último acervo, mantido há mais de 20 anos por familiares, mudará de mãos nas próximas semanas. Ficará sob a guarda do Instituto Moreira Salles, que cuidará do inventário e da catalogação e o manterá, em regime de comodato, pelos próximos dez anos. "Aqui, cuidávamos de forma rústica, embora com carinho, do acervo. O IMS poderá manter os livros e documentos nas condições ideais de preservação", diz, por telefone, um dos netos do poeta, o cenógrafo e editor Pedro Drummond, enquanto ao fundo se ouve a voz de seu filho Miguel, de 3 anos - o responsável pela opção de Pedro pela guarda em regime de comodato. "Quero que Miguel, quando crescer, possa decidir o que pretende fazer com o material do bisavô."

Ainda não contabilizado, o material inclui cartas, desenhos, fotos e uma compilação de todas as crônicas que o poeta fez para o Correio da Manhã e o Jornal do Brasil, do início dos anos 50 até 1984. Outros destaques são primeiras edições de livros de autores como Mário de Andrade e Manuel Bandeira, com dedicatórias a Drummond. "O IMS encontrará os livros como meu avô deixou. Toda a biblioteca foi fichada por ele, e há curiosidades, como recortes acrescentados a enciclopédias - ele via um verbete e juntava caricaturas ou fotos que tivesse relação, criava iconografia para os livros", conta Pedro.

O IMS pretende disponibilizar o material no formato de facsímile na internet e em livros, trabalho que já faz com o acervo da Casa Ruy Barbosa, Para o primeiro semestre de 2011, por exemplo, está prevista a publicação de um "livro das dedicatórias", com frases e poemas feitos pelo escritor a amigos. Também no ano que vem, o instituto criará uma espécie de Bloomsday de Drummond. Será o Dia D, a se comemorar todo dia 31/10 (data de nascimento do poeta), com palestras, leituras e exposições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.