Academia nega favorecimento

Peter Englund, secretário permanente da Academia Sueca, responsável por indicar os prêmios Nobel, negou ontem que o fato de um dos jurados em literatura ser tradutor do vencedor, o escritor chinês Mo Yan, tenha interferido na escolha. Diversos meios de comunicação levantaram a hipótese, alegando que Göran Malmqvist, de 88 anos, poderia se beneficiar indiretamente com o Nobel, uma vez que cresceria a circulação das obras do autor chinês na Suécia. Englund afirmou que Malmqvist traduz as obras que a Academia indica, e que as pessoas "deveriam ler Mo Yan em vez de alimentar essas discussões". / EFE

O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2012 | 03h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.