Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Acabar com a esquerda?

Não se pode liquidar o dualismo e a complementaridade, pois todos entendemos que, se o esquerdismo atrasa, a esquerda – ao contrário – é essencial para a democracia

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2020 | 03h00

A polarização exagerada no Brasil bolsonarista, após – não se deve esquecer – a hegemonia lulista, é um desastre. Se muitos da “direita” querem acabar com a “esquerda” e vice-versa, devo lembrar que não há democracia sem os dois lados.

Os totalitarismos suprimem oposições enquanto a polaridade garante o equilíbrio instável e humano. Sem contrastes, o mundo não teria sentido. Sou um homem porque não sou um gato; descubro o calor quando encontro o frio. Só vivo numa democracia quando o debate engloba o autoritarismo que sufoca liberdades. 

Estudei uma sociedade tribal onde se dizia que “tudo tem o seu contrário”. Naquele sistema, a paralisação entre Sol e Lua criou a vida coletiva, o trabalho, gente feia e defeituosa em paralelo a pessoas belas e saudáveis e, para finalizar uma longa lista, os demiurgos inventaram a morte porque sem ela o mundo transbordaria de gente.

Os antropólogos da minha tribo chamam tais sistemas de dualistas e um mestre, o famoso Lévi-Strauss, desvendou essas organizações sociais duais, presentes – como pode facilmente imaginar – em toda parte. 

O nosso próprio sistema contempla vários dualismos céu/inferno, Adão/Eva, santos/pecadores, Deus/diabo, esquerda/direita... A lista é longa e, quem sabe, infindável, mas foi somente o Ocidente que encarou a dualidade com o desejo de, um dia, finalizá-la. Seja no Juízo Final, seja quando os operários do mundo conseguissem se unir, conforme reza um outro texto sacrossanto!

O nosso próprio corpo serve como exemplo vivo das dualidades, quando focalizamos o simbolismo das mãos para ver o primado da mão direita sobre a esquerda em muitos contextos. A própria noção de “direito” como correto, justo e legal, indica tal posicionamento cosmológico.

*

A resposta ao meu título é um sonoro não. Não se trata de acabar com a esquerda que – como nossas mãos – vai estar sempre presente no corpo social e político. Ademais, toda democracia vai exigir uma esquerda que critique, vigie e transforme o sistema estabelecido ou a “direita” – os costumes vigentes.

Se um corpo sem um braço é um corpo mutilado, então a questão é estabelecer quando cada lado tem precedência. Em muitos sistemas sociais e também entre nós usamos a direita nas saudações e juramentos, mas se vamos pregar um prego, ou surpreender um adversário, precisamos do nosso lado canhoto.

Seria reacionário lembrar que os dois lados são interdependentes e não inimigos?

*

Penso que o Brasil experimenta a ultrapassagem de um momento hegemonicamente esquerdista e enfrenta uma etapa na qual se quer mais uma esquerda do que o esquerdismo. Do mesmo modo e pela mesma lógica, há quem queira a direita e abomine os fascismos. Os “ismos” indicativos de inflexão e condenação ideológica são recusados, mas todo democrata deseja os lados em equilíbrio.

Não se pode liquidar o dualismo e a complementaridade, pois todos entendemos que, se o esquerdismo atrasa, a esquerda – ao contrário – é essencial para a democracia. Ela é indispensável quando se projeta liquidar privilégios, em transporte público, em saúde, segurança e saneamento. Sem um projeto de esquerda, não há educação primária e secundária de qualidade. A transformação do professor primário num agente de mudança para o igualitarismo é, ao lado de uma distribuição equitativa de renda, ativo da esquerda. 

Pela moeda da interdependência, demanda-se a direita (e o Direito) para harmonizar os pontos conflituosos do jogo, sem o que a liberdade e a igualdade sucumbem. Na esquerda, não podem haver conchavos que destroem a confiança tanto no Estado quando nas empresas privadas de sucesso. Elos pessoais e hierarquias que desmoralizam leis, negócios escusos entre empresas e Estado – tudo isso que englobamos no Brasil como “corrupção” – têm que fazer parte da agenda democrática. 

A “revolução” não supera, a não ser com muito esforço, os arranjos culturalmente legitimados e o protagonismo do “dar para receber”, que acabam em malas de dinheiro e na destruição dos principais partidos políticos nacionais. 

Não é mais possível manter um inferno jurídico para os pobres e os comuns e um purgatório de regalias para os que estavam (e continuam estando) acima da lei. A luta hoje é como controlar o purgatório jurídico fiador da desigualdade.

Para essa revolução, é preciso uma boa cabeça, pernas firmes e as duas mãos. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto da Matta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.