Abertura da Bienal atrai 20 mil em São Paulo

A 26ª Bienal de São Paulo recebeu aproximadamente 20,4 mil pessoas na abertura ao público, neste domingo. Muitos foram estimulados pela gratuidade - o que atraiu inclusive a população que costuma freqüentar o Parque do Ibirapuera. Apesar dos corredores e rampas repletas de gente, não foi registrado transtornos na hora da entrada. Também foi possível visitar as obras com relativa tranqüilidade, a não ser um ou outro "engarrafamento", no setor de vídeo ou na obra do britânico Mike Nelson.O pátio de entrada, amplo o suficiente para abrigar grandes obras como a instalação de troncos de madeira do Ivens Machado, acabou transformando-se numa espécie de pátio de convivência. Lá também está uma das obras mais atrativas para a garotada: um conjunto de tapetes de pano que reconstroem em terceira dimensão a paisagem paulistana, concebido pela chinesa Yin Xiuzhen.Uma obra que mobilizou os visitantes foi a performance de Vera Mantero. Enia Zucchi, que visitou a exposição com seu marido Dalto, não conseguia desgrudar os olhos. "Ela está fazendo coisas meio primitivas, que às vezes a gente tem vontade de fazer", disse a capixaba, que veio a São Paulo a trabalho e aproveitou para conhecer a Bienal.Já as argentinas Norma Segovia, artista plástica, e Leontina Etecheleco, crítica e historiadora, ficaram um tanto decepcionadas com o que viram. "É uma mostra muito dispersa e cinéfila. Noto também um forte retorno à figuração", analisou Leontina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.