Aberta 11.ª Bienal do Livro no Rio

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, participou hoje, no Riocentro, da abertura da 11ª Bienal do Livro do Rio, ao lado do ministro da Educação, Cristóvam Buarque, e da governadora do Rio, Rosinha Matheus. Ao chegar, Gil disse que uma feira como esta, além de incentivar o surgimento de novos leitores, aumenta os investimentos de produtores e editores de livros. Ele prometeu estudar, junto ao Governo Federal, uma forma de baratear o preço do livro. O ministro, que está usando sua capacidade de articulação política para convencer o Congresso Nacional a passar o orçamento de sua pasta dos 0,2% atuais para 1%, esteve ontem na Câmara e, na próxima semana, irá ao Senado.O ministro falou à Agência Estado como pretende convencer o Congresso Nacional a aumentar cinco vezes o orçamento do Ministério da Cultura? "Esta semana estive na Câmara e encontrei muita receptividade dos deputados e, na semana que vem, vou aoSenado fazer a mesma coisa, levar as mesmas reivindicações. Nossa idéia é que o orçamento, em 2004, passe de quase R$ 300milhões de hoje para R$ 1,5 milhão. Aí não entram verbas do Fundo Nacional de Cultura nem das leis de incentivo".Além de falar de política cultural, Gil passeou pelos estandes e até cantou durante sua visita à Bienal. Junto com oCoral Solar do Liceu de Humanidades de Campos, do norte fluminense, o ministro cantou a música A Paz, de sua autoria e deJoão Donato. Depois, as 23 professoras que compõem o coral disputaram fotos e autógrafos do ministro. Já o ministro da Educação, Cristovam Buarque, pediu aos editores que transformem a 11ª Bienal em uma fábrica de leitores. Ele fez o pedido durante a abertura da Bienal, que neste ano tem a expectativa de receber 500 mil pessoas, entre elas 200 mil crianças. O ministro defendeu também a participação das editoras de livro do programa de Erradicação do Analfabetismo no país. Os ministros da Educação, Cristovam Buarque e da Cultura, Gilberto Gil, almoçara comautores e editores da Bienal.A 11ª Bienal do Livro foi aberta ao público nesta tarde e poderá ser visitada até o dia 25 deste mês. Às sextas-feiras e sábados, a Bienalfuncionará até as 23 horas e, nos outros dias, até às 22 horas. Nos fins de semana, as visitas começam às 10 horas e, nos diasúteis, às 9 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.