A vida e os mortos

Destaco o conceito de “vida” porque ele nos conduz a um permanente diálogo entre a crença num Deus patriarcal, dotado de onipotência (pode tudo), onisciência (sabe tudo) e onipresença (está em todos os lugares) e os infortúnios que nos atingem neste mundo feito em sete dias para nosso uso e, hoje, abuso. Acidentes, mortes súbitas, Donald Trump e outros infortúnios promovem dúvida ou suspeita sobre essa figura que criou e, pelo menos uma vez, desmanchou este mundo. Ao lado disso, não se pode deixar de lado a liberdade, irmã do orgulho, que criou a primeira dissidência. A grande revolta, ainda em curso, liderada por Lúcifer.

Roberto Damatta, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2017 | 03h00

Vale apelar para Santo Agostinho, que tanto se preocupou com o problema do mal. Para ele, não há dúvida que o bem engloba o mal, mas ele não gostaria de viver num mundo sem os dois. O que seria do certo sem o errado? E da mão direita sem a esquerda, que a complementa?

Não me julguem, amamos leitores, como um ingrato. Tenho muitas dúvidas, mas estou seguro de que Deus escreve certo por linhas tortas.     É como vejo a morte, que tudo perdoa e faz valorizar ainda mais as nossas vidas falíveis e cheias de frustração. Como diz meu amigo Mario Batalha: a morte, que não deixa ninguém de fora, é a prova final de uma suprema igualdade. Não há imprensa hegemônica, nazista ou liberal que possa transformá-la numa interpretação.

Quem sabe se não foi por tudo isso que Deus levou para o outro mundo Ricardo Benzaquen de Araújo na quarta-feira, dia 1.º, e fez com que minha estimada amiga Lívia Barbosa virasse parteira de sua netinha dentro de um automóvel, num estacionamento em pleno Leblon. Nomearam essa criaturinha como Cecilia – nome da mãe de sua parteira – e assim refizeram sublime ponte que liga este mundo com o outro. 

Ricardo, o morto que me obriga a escrever essas linhas, era um andarilho de vielas e avenidas das chamadas ciências humanas. Essas novas teologias que lidam com o que surge como paradoxal e com os inesperados provocados por regras sociais tidas como óbvias e certas. Como sócio-historiador de primeira categoria, Ricardinho, como nós o chamávamos por causa de seu temperamento simples, doce e generoso, sabia tudo mais fingia que você o ensinava alguma coisa. Foi meu aluno no Museu Nacional, nos idos e terríveis anos 70 ,os quais, não obstante, foram tão decisivos para a fundação da moderna antropologia social brasileira. A essa atitude cujo propósito era o de compreender mais do que julgar, Ricardo deu uma inestimável contribuição, apreciando da obra de Gilberto Freyre no livro Guerra e Paz. Um ensaio que só uma alma com o seu equilíbrio de rabino poderia ter produzido. Ali, ele revela o erro de reduzir Freyre a uma só gaveta, e discute a presença dos desequilíbrios presentes no Brasil inventado pela obra desse que foi o maior conhecedor do Brasil. 

Ricardo partiu na mesma semana da ex-primeira-dama Marisa Letícia da Silva e no vácuo causado pela morte por acidente do ministro do STF, Teori Zavascki. Todos deixam uma onda de sofrimento e de empatia, que abre espaço para as tréguas da civilidade e do coração, abafando ressentimentos e diferenças. 

É o trabalho do morto e da morte que obriga a um doloroso desfazer do corpo e, ao mesmo tempo, tenta preencher o seu lugar na rede social de que fazia parte. A dor é enorme, mas dela brota a ressurreição naquilo que nós, falantes de português, chamamos de saudade. 

Eis o que dela diz um Joaquim Nabuco, mais antropólogo social do que político, numa palestra que proferiu no Vassar College, Estados Unidos, em 1909: “Mas como traduzir um sentimento que em língua alguma, a não ser na nossa, se cristalizou numa única palavra? Consideramos e proclamamos esse vocábulo o mais lindo que existe em qualquer idioma, a pérola da linguagem humana. Ele exprime as lembranças tristes da vida, mas também suas esperanças imperecíveis. Os túmulos trazem-no gravado como inscrição: saudade. A mensagem dos amantes entre eles é saudade. Saudade é a mensagem dos ausentes à pátria e aos amigos. Saudade, como vedes, é a hera do coração, presa às suas ruínas e crescendo na própria solidão. Para traduzir-lhe o sentido, precisaríeis, em inglês, de quatro palavras: remembrance, love, grief e longing. Omitindo uma delas, não se traduziria o sentimento completo. No entanto, saudade não é senão uma nova forma, polida pelas lágrimas, da palavra soledade, solidão”. 

Até o momento no qual aqueles que partiram sejam devida e humanamente esquecidos e, às vezes, lembrados como vai ocorrer com todos e tudo neste mundo o qual, como dizia Thornton Wilder, só pode ser unido ao outro pela ponte do amor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.