A vida de 007 de autores ingleses

A revelação: intelectuais foram espiões do MI6

, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2010 | 00h00

Foi um segredo muito bem guardado durante longo tempo. Os escritores Graham Greene, Somerset Maugham e Arthur Ransome e o filósofo A.J. Ayer, entre outros grandes intelectuais do século 20, tiveram sua fase de James Bond e trabalharam em algum momento para o Serviço Secreto de Inteligência britânico (SIS).

Essa e muitas outras revelações estão em livro do historiador inglês Keith Jeffery, que pela primeira vez narra a história oficial do MI6, a CIA inglesa. É inédito o fato de a agência permitir a publicação da obra, que é baseada em seus arquivos desde sua criação, em 1909, até 1949.

Em suas 800 páginas, MI6 - The History of the Secret Intelligence Service traz entre outras tramas dignas de um 007, a de que um ex-chefe adjunto da agência, Claude Dansey, foi seduzido por Robbie Ross, supostamente o primeiro amante do escritor irlandês Oscar Wilde.

Dignas de um enredo criado por Ian Fleming, as experiências de espionagem de Somerset Maugham foram transformadas em ficção, na coleção de contos chamada Ashenden o El Agente Secreto. Assim como Greene, os também escritores Compton Mackenzie e Malcolm Muggeridge garantiram que foi a contragosto que eles prestaram serviços para o SIS. O contingente de autores foi recrutado pelo MI6 para fazer espionagem em favor da Grã-Bretanha, segundo informa o livro, por causa da facilidade que eles tinham de acesso a pessoas e lugares e a seu grande conhecimento de países e costumes do mundo.

Mas para o autor do livro publicado pela editora Bloomsbury, é preciso lembrar ainda que havia na Europa ocupada muitos britânicos comuns que colaboraram com esses serviços.

Em suas pesquisas a uma enorme quantidade de arquivos secretos do SIS, Keith Jeffery não encontrou nenhuma prova de que a espionagem inglesa esteve envolvida no assassinato, em 1916, de Rasputin, em São Petersburgo, que tanta influência exerceu sobre a última dinastia dos Romanov na Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.