A velha América em imagens e sons

Kurt e Ian Markus acompanham turnê de John Mellencamp pelos EUA

STEPHEN HOLDEN, THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2012 | 03h09

"A decadência dos EUA atingiu enorme escala", reflete Kurt Markus, respeitado fotógrafo que, com o filho Ian, realizou um documentário sobre a excursão de um grupo de rock'n'roll, John Mellencamp: It's About You. O testemunho mais evidente dessa afirmação no registro de 2009 pelo amigo de Kurt Markus, o roqueiro John Mellencamp, está na música de Bob Dylan e Willie Nelson.

Famoso por suas imagens das paisagens do Oeste e dos vestígios da cultura dos caubóis, Kurt se identifica com Mellencamp. Eles se conhecem há 20 anos e têm a mesma visão desesperançada do declínio da civilização americana no interior, que o filme retrata como ambiente decrépito com paredes desmoronando e ruas vazias. Kurt olha através da câmera super 8 , observa os povoados fantasmas e lamenta o fim da vida tradicional das pequenas cidades.

A turnê passa por Littlefield, Texas, cidade do astro country Waylon Jennings morto em 2002. A câmera mostra um reservatório de água onde alguém escreveu o nome "Jennings". Hoje, o reservatório parece uma lápide num cemitério. "É como se por aqui tivesse passado uma peste e todos tivessem morrido em poucas semanas", diz Markus, que chama Littlefield de Pompeia do Texas.

O espectador não vê Markus nem o filho. Nem mesmo Dylan e Nelson. Kurt não entrevista Mellencamp, cuja música constitui a coluna sonora do filme. Não visita o ônibus de Mellencamp para captar a visão da turnê de uma pessoa que participa dela. O "você" do título do filme é Kurt Markus, e seu comentário esporádico tem o tom oracular de um poema em prosa. O documentário mostra trechos dos shows e as paradas em que Mellencamp grava seu estranho álbum, No Better Than This, em três lugares históricos, usando tecnologia obsoleta. Produzido por T Bone Burnett, o guitarrista do grupo, o álbum foi gravado com um microfone antigo e um gravador mono de fita que tem 50 anos. A câmera de Kurt é o equivalente cinematográfico do único microfone, por isso o filme se coaduna com a aspereza do seu som antigo.

Kurt lembra a infância em Montana e a experiência mística quando ouvia música transmitida por um aparelho rádio a quilômetros de distância, e as canções de No Better Than This transmitem a maravilhosa sensação de mistério. É a essência do que o crítico Greil Marcus, refletindo sobre Dylan e as Basement Tapes da banda, chamou de "velha América misteriosa". / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.