A utopia socialista, vista do século 19

O título de Notícias de Lugar Nenhum- Ou Uma Época de Tranqüilidade remete, claramente, aUtopia, de Thomas More. Mas o lugar de que fala seu autor,William Morris, existe no espaço - a Inglaterra - e no tempo -início do século 22. O lugar nenhum fica por conta da comparaçãoobrigatória, que percorre toda a obra, com o mesmo lugar, noindustrioso, "progressista", poluído e "selvagem" século 19.Tudo o que se projetava parecia um sonho, um sonho ainda muitolonge, no tempo, da realidade. Morris (1834-1896), que publicou este livro em 1890, foium militante socialista, contemporâneo de Karl Marx e colega deliga de sua filha, Eleanor Marx. Sua obra é um romance utópico,algo um tanto distante do que se entende hoje por romance emportuguês e mais próximo do conto fantástico dos cavaleirosmedievais, como alertam Michael Löwy e Leandro Konder numaintrodução ao livro. Está impregnada pela relação que Morris, umabastado súdito da rainha Vitória, e muita gente de seu tempomantinham com a Idade Média e associada ao movimento romântico. A história é a mais óbvia possível: um militante, depoisde uma reunião partidária, dorme e acorda mais de 200 anosdepois. Sim, o mundo mudara, muito mais do que ele seria capazde imaginar: as coisas funcionam, as diferenças entre as classessociais foram abolidas, as pessoas são felizes e - fantástico -vivem muito mais, ultrapassam com facilidade as barreiras doscem anos, não por conta de avanços técnicos, mas justamenteporque têm de trabalhar apenas na medida em que desejam, o quenão significa pouco, mas, sim, de que não são obrigadas a fazero que desgostam. Há uma história, no sentido que deu nome a uma dasciências humanas, para esse novo mundo, mas não são todos os quese interessam por ela. Há alguns escritores, mas menos leitores.O visitante, que rapidamente tem de se dizer de uma terradistante e atrasada, luta até encontrar alguém que a conte, umsenhor mais velho e interessado em estudos do século 19. É curioso notar que o avanço social não é seguido de umavanço tecnológico. Enquanto as pessoas passeiam pela cidade ehá filas de gente disputando trabalhos considerados pouco nobres- e não remunerados - para o visitante, pelo prazer de executaressas tarefas, os habitantes desse lugar nenhum aindautilizam-se de carroças puxadas por animais e podem escolher,para seu dia-a-dia, objetos artesanais ou industriais. Há dois riscos na leitura de Notícias de LugarNenhum: o de encará-lo como puro manifesto político e o devê-lo apenas como literatura. As duas formas levariam aconclusões perigosas, porque caminhariam para julgar o livroingênuo, inútil, descartável. Talvez seja melhor lê-lo comodocumento de uma época e de seus sonhos, sem se preocupar comsuas fraquezas e sem o colocar numa estante específica. Serviço - Notícias de Lugar Nenhum. Perseu Abramo, 320 págs., R$ 35.Romance utópico de William Morris.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.