Reproduções
Reproduções

A última década de Warhol

Mostra em Nova York descortina a fase mais produtiva do artista, quando retomou a pintura

Tonica Chagas, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2010 | 00h00

Mais do que nunca o estúdio de Andy Warhol (1928-1987) mereceu ser chamado The Factory (a fábrica) nos últimos dez anos de vida dele. Com diversos projetos empresariais e artísticos ao mesmo tempo - edição da revista Interview, produção de filmes experimentais e programas para TV, publicação de livros e encomendas incontáveis de quadros -, aquela foi sua década mais produtiva. Estima-se que ele tenha criado em torno de 3.500 quadros naquele período, no qual se destaca a volta do rei da impressão em silk screen à pintura com tinta e pincel.

Um extrato desse volume compõe Andy Warhol: The Last Decade, em turnê pelos Estados Unidos e que o Brooklyn Museum, em Nova York, exibe até 12 de setembro. É a primeira exposição em museus norte-americanos que focaliza os últimos trabalhos de Warhol. Os cerca de 50 quadros mostram a transformação no estilo, o uso de novas técnicas e o aumento na escala das telas dele a partir do fim dos anos 1970.

O retorno à pintura (depois de ele ter dito que pintar era coisa fora de moda) foi estimulado pelo trabalho em conjunto com artistas como Jean-Michel Basquiat, Francesco Clemente e Keith Haring. Criadas em paralelo a séries de impressões e retratos comissionados, muitas dessas obras eram projetos pessoais, só conhecidos depois da morte de Warhol por complicações de uma cirurgia na bexiga.

Após quase 12 anos, em 1978 ele voltou a pôr o próprio rosto em seus quadros. The Last Decade abre com Self-Portrait (Strangulation), de acrílica e silk screen sobre tela. Como na série na qual ele aparece com um crânio de caveira, ela reflete sobre a mortalidade - algo que preocupava Warhol desde que quase foi morto a tiros por Valerie Solanas, uma das frequentadoras da Factory, em 1968. Mas o que distingue essa imagem repetida em dez pequenas telas de cores escuras é a expressão do rosto, quase nula nos outros autorretratos. Com as mãos de alguém em volta do pescoço, aqui ele aparece de boca aberta e olhando para cima. A foto teria sido feita por acaso, quando um amigo do artista o agarrou de surpresa durante uma sessão de polaroides.

Reação química. Numa mudança completa do seu estilo pop concebido com imagens prontas, no fim dos anos 1970 também ele começou a explorar a abstração. Primeiro com Oxidations, em que os dourados, vermelhos e verdes texturizados na tela eram obtidos com a reação química de urina, do próprio Warhol e de seus assistentes, sobre tinta metálica. Depois vieram as Shadows, com base em fotografias de sombras geradas por maquetes e recortes feitos justamente para criar formas abstratas. Nos 80 ele produziu as séries Rorschach, Yarn e Camouflage. A primeira, resultado de tela dobrada com tinta fresca, imita o teste psicológico do mesmo nome e, como este, tem imagens abertas à interpretação de cada um. A segunda lembra a pintura de tinta derramada de Jackson Pollock e surgiu quando Warhol criou a imagem de uma bobina de fio para propaganda da companhia italiana Filpucci.

A ideia do galerista suíço Bruno Bischofberger encomendar obras feitas em conjunto por artistas célebres de gerações diferentes levou Warhol a colaborar com Basquiat e Clemente e também o reconduziu ao figurativismo, que ele não tocava desde fins da década de 50. Warhol e Basquiat acabaram trabalhando juntos por quase três anos e criaram mais de uma centena de obras.

Para abrigar a Factory, a compra de um antigo edifício da empresa que abastece Nova York de energia elétrica, em 1984, permitiu que Warhol ampliasse ainda mais as proporções de seus trabalhos. Na série Black & White Ads, de 1985 e 1986, inspirada por anúncios tirados de páginas de revistas, de certa forma ele retomou o que fazia nas suas primeiras pinturas pop, projetando a imagem e pintando diretamente sobre a tela.

A Última Refeição

Warhol dedicou-se por mais de um ano a produzir The Last Supper (1986), lembrada em três variações monumentais que fecham The Last Decade. A série começou como encomenda para a inauguração de uma galeria em Milão, na frente da igreja em cujo refeitório Da Vinci pintou seu afresco, entre 1495 e 1498. Com mais de cem pinturas e silk screens, esta se tornou uma das maiores séries produzidas por Warhol em 40 anos de carreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.